Empresa suspende transporte escolar em todo o Tocantins por falta de pagamento

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
Apesar da precariedade, os ônibus coletivos são o único meio de transporte dos alunos.

Nielcem Fernandes // AF Notícias

Por falta de pagamento, a empresa Ponte Alta suspendeu o transporte de estudantes da rede estadual de ensino do Tocantins nesta terça-feira (17). A medida atinge todas as regionais do Estado.

Na reserva indígena Xerente, zona rural do município de Tocantínia, cerca de 400 alunos estão sem frequentar as aulas por falta do transporte. “Só na nossa escola são 400 estudantes, mas tem todas as outras escolas da mesma etnia. Recolheram todos os ônibus que atende a zona rural no Estado inteiro“, relatou uma professora que preferiu não se identificar.

Conforme a professora, a preocupação maior é com o andamento das atividades escolares que já estavam programadas. “Temos o curso técnico em enfermagem e hoje teria até estágio, etapa que tem que ser rigorosamente cumprida, e agora não se sabe o que fazer”, concluiu.

Em Araguaína, centenas de estudantes também estão sendo prejudicados nos setores Costa Esmeralda, Construindo Sonhos, Barros, Pontes, Lago Azul, entre outros.

O OUTRO LADO

Em nota ao AF Notícias, a Secretaria da Educação Juventude de Esporte (Seduc) disse que a situação apresentada se deve “às impossibilidades de pagamento decorrentes da Medida Cautelar Inominada nº 6407, de 25 de março de 2018”.

A Seduc se refere à decisão do Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO) que determinou a suspensão de todos os pagamentos considerados não-prioritários em decorrência da cassação do governador Marcelo Miranda e da vice Cláudia Lelis. O Governo recorreu, mas o TJ manteve a decisão e disse que cabe aos gestores definirem as prioridades.

A nota diz que com a retomada dos pagamentos, a Seduc está tomando as providencias necessárias para garantir a regularidade da prestação dos serviços de transporte escolar e os alunos não serão prejudicados no seu processo de ensino-aprendizagem.

Comentários pelo Facebook: