Sobral – 300×100
Seet

Entidades prometem ir ao Judiciário reivindicar 13º para que fim de ano seja menos “amargo e doloroso”

Redação AF -
Foto: Divulgação
Rio de Janeiro, no Rio Grande do Sul, em Tocantins e em Sergipe

Da Redação //AF Notícias

A notícia de que o Governo do Estado não vai pagar o 13º de todos os servidores públicos deixou os sindicatos e associações classistas revoltados. Nesta segunda-feira (21), sete entidades divulgaram nota de repúdio ao que chamaram de “falta de compromisso e desrespeito com os homens e mulheres que trabalham em defesa do Estado do Tocantins”.

Segundo o Governo do Estado, devido à falta de recursos em caixa, apenas os servidores que ganham até quatro salários mínimos (R$ 3.152,00 líquido) vão receber o benefício ainda este ano. Os demais somente no mês de janeiro, após o pagamento da folha de dezembro.

Para os representantes dos servidores, a decisão do Poder Executivo “reflete a incapacidade do Governo de gerenciar o patrimônio público, lesando os trabalhadores que, ao longo dos anos, prestam de maneira honesta e eficaz os serviços essenciais à sociedade tocantinense, independente do Governo que esteja no comando do Estado”.

As entidades reclamam também que, em momento algum, não foram convidadas para discutir o problema e propor saídas a fim de evitar que centenas de famílias fossem pegas de surpresa e tivessem seus direitos trabalhistas subtraídos de forma “arbitrária e autoritária”.

Segundo a nota, caberá, agora, recorrer ao Poder Judiciário na busca de garantir que este fim de ano seja menos amargo e doloroso nos lares dos servidores públicos estaduais.

Confira a nota completa

“Diante do comunicado do Governo do Estado de que não irá honrar sua obrigação legal de efetuar, em dezembro, o pagamento do 13º salário a todos os de servidores públicos estaduais, as entidades classistas abaixo assinadas vêm a público externar seu repúdio pela falta de compromisso e desrespeito com os homens e mulheres que trabalham em defesa do Estado do Tocantins.

 A decisão do Poder Executivo reflete a incapacidade do Governo de gerenciar o patrimônio público, lesando os trabalhadores que, ao longo dos anos, prestam de maneira honesta e eficaz os serviços essenciais à sociedade tocantinense, independente do Governo que esteja no comando do Estado.

 Não é possível que a classe trabalhadora seja penalizada pela má gestão do Poder Executivo. Desde o início de 2015 os salários de todos os servidores públicos estaduais são efetuados com 10 dias de atraso, outra prova da incompetência da atual gestão.

 Não iremos nos calar diante de tal decisão que só reforça o desrespeito como o qual o Governo do Estado lida com os servidores públicos. Em momento algum as entidades classistas, que representam legalmente os servidores públicos, foram convidadas para discutir o problema e propor saídas a fim de evitar que centenas de famílias fossem pegas de surpresa e tivessem seus direitos trabalhistas subtraídos de forma arbitrária e autoritária.

 Caberá, agora, recorrer ao Poder Judiciário na busca de garantir que este fim de ano seja menos amargo e doloroso nos lares dos servidores públicos estaduais. Lamentamos e reforçamos nosso repúdio diante do descaso e do desrespeito com os servidores públicos estaduais.

Palmas, 21 de dezembro de 2015

 Associação dos Policiais Civis do Estado do Tocantins (Aspol/TO)

Associação dos Agentes Penitenciários do Tocantins (Agepens)

Associação Funcionários da ADAPEC (AFA/TO)

Associação Estadual dos Servidores do Quadro Geral do Tocantins (ASS-PÚBLICOS) 

Associação dos Agentes de Necrotomia do estado do Tocantins (AANETO)

Associação das Mulheres Policiais do Estado do Tocantins (AMP/TO)

Sindicato dos Profissionais da Enfermagem (SEET)”

Comentários pelo Facebook: