Estudante de engenharia de Palmas seria um dos maiores traficantes de droga sintética

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação/SSP
O estudante foi preso em Palmas

O estudante de engenharia civil Matheus Costa Pinto, de 23 anos, foi preso acusado de tráfico de drogas em uma residência localizada na Quadra 603 Sul, em Palmas, durante a operação ‘Caça às Bruxas’, deflagrada em nove Estados na manhã desta quinta-feira (15).

O acadêmico é apontado pela polícia como um dos maiores distribuidores de drogas sintéticas do Tocantins. Matheus Costa foi preso preventivamente por ordem da Justiça do Distrito Federal.

Os policiais civis da Delegacia Especializada no Combate a Narcóticos (Denarc) localizaram e apreenderam na residência do estudante porções de haxixe, cocaína, um veículo e uma balança de precisão.

A polícia afirmou que Matheus é oriundo do Distrito Federal e era alvo de investigação em Brasília, mas havia fugido para o Tocantins. No entanto, ele mantinha vínculo com traficantes do DF e continuava a mandar drogas sintéticas para a capital federal via Correios.

Conforme a polícia, o estudante revendia a droga em festas, bares, shows e casas noturnas da capital do Tocantins. Os criminosos investigados também revendiam através de perfis falsos nas redes sociais. O esquema funcionava da seguinte forma: após o pedido da encomenda, os clientes faziam um depósitos bancário e a droga era entregue pelos Correios no endereço indicado.

O delegado da Polícia Civil do Tocantins, Emerson Moura explicou a composição da droga encontrada em poder do suspeito. “O composto, cujo princípio ativo da droga apreendida é o THC (Tetra-Hidrocarbinol), é o mesmo encontrado na maconha, sendo que o haxixe recebe a adição de uma resina que é baseada em inflorescências que dão esse aspecto de borra escura, que é consumida de várias formas pelos mesmos usuários de maconha, que também são adeptos do haxixe, que por sua vez é muito mais forte devido à alta concentração de THC e produz sensações alucinógenas”, ressaltou.

O delegado Ulysses Fernandes Moraes Luz, da Polícia Civil do DF, explicou mais detalhes sobre a operação. “Os trabalhos da Operação Caça as Bruxas foram iniciados há cinco meses, quando os policiais da 6ª DP do Paranoá – DF, identificaram os fornecedores dos traficantes locais. Desta maneira, aprofundamos as investigações e, na manhã de hoje, conseguimos prender, não só os traficantes locais, mas também aqueles que fornecem as drogas e possuem os laboratórios para sintetizar o entorpecente”, frisou.

Conforme o delegado, com a prisão de Matheus Costa, o envio de drogas sintéticas para Brasília será reduzido drasticamente.

Objetivo da operação

A operação foi coordenada pela 6ª Delegacia de Polícia Civil de Brasília com o objetivo principal de combater o tráfico interestadual de drogas sintéticas e desarticular um grupo criminoso responsável por comercializar drogas sintéticas entregues por meio dos Correios.

A ‘Caça às Bruxas’ foi deflagrada de forma simultânea nos Estados do Tocantins, Goiás, São Paulo, Mato Grosso, Paraná, Rondônia, Rio Grande do Norte, Bahia e Minas Gerais.

Comentários pelo Facebook: