Seet
Sobral – 300×100

Ex-secretário de Saúde e superintendente do Dom Orione são presos em Araguaína

Redação AF - |
Foto: Fernando Almeida
Polícia Federal no Hospital Dom Orione

O superintendente do Hospital e Maternidade Dom Orione, Osvair Murilo da Cunha, e médico Arnaldo Alves Nunes, ex-secretário de Estado da Saúde do Tocantins, foram presos pela Polícia Federal durante a segunda fase da Operação Marcapasso, deflagrada na manhã desta terça-feira (5).

Estão sendo cumpridos 17 mandados em Araguaína, Palmas e Balém (PA). A operação investiga fraudes em licitações, corrupção, pagamento de propina e aquisição de produtos superfaturados no sistema público de saúde.

O médicos Arnaldo Nunes foi secretário interino da saúde em 2011, início da última gestão do ex-governador Siqueira Campos (DEM). Atualmente, Nunes é diretor técnico do Hospital Dom Orione e responde pelo setor de compras. Segundo a investigação da PF, o hospital recebia desconto de 10% na compra dos materiais, mas cobrava 100% do SUS.

Em Palmas há um mandado de prisão contra o médico Juan Fernando Terrones Cáceres. Ele é cardiologista e atua na rede pública de saúde. Já em Belém a PF cumpre mandado contra EB Miranda Ara, gerente da empresa ST. Jude Medical do Brasil Ltda que fornece produtos para o estado do Tocantins.

Segundo o delator Antônio Bringel, a empresa ST Jude era antes representada no Estado pela Cardiomed (empresa do próprio delator). A Cardiomed fornecia órteses, próteses e materiais especiais diretamente para a Secretaria de Saúde e recebia uma comissão de aproximadamente 25% por item vendido, que era paga pela empresa ST. Jude.

Segundo a PF, destes 25%, 10% deveriam ser repassados aos médicos integrantes do esquema, 5% era destinados ao custeio de impostos envolvidos na operação e os outros 10% eram, de fato, a comissão da Cardiomed como remuneração por cada operação.

VEJA MAIS SOBRE A 2ª FASE

Diretores do Hospital Dom Orione exigiam até 25% de propina, revela Polícia Federal

Médicos do Hospital Dom Orione são alvos da 2ª fase da Operação Marcapasso da PF

 

 

Comentários pelo Facebook: