Sobral – 300×100
Seet

Farmacêutica acusa coordenadora de agressão física por causa de postagem

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
Farmacêutica acusa coordenadora de agressão física por causa de postagem

Márcia Costa//AF Notícias

A farmacêutica do Município de Piraquê, Solange Batista, de 37 anos, afirma que foi agredida fisicamente por outra servidora da Prefeitura, no norte do Estado, por causa de uma postagem nas redes sociais. O desentendimento teria acontecido no último dia 22 de maio, envolvendo a coordenadora municipal de Políticas Públicas, Joana Barbosa de Aguiar.

A farmacêutica relatou que foi surpreendida em um restaurante com puxões de cabelo, tapas no rosto e socos na barriga. O caso foi parar na delegacia e ambas registraram boletim de ocorrência. O episódio foi o assunto mais comentado nas ruas da pequena cidade durante as últimas semanas. Em razão disso, Solange conta que tirou três meses de licença e teve de sair da cidade.

“Eu estava almoçando quando, de repente, a mulher chegou e pegou pelos meus cabelos e me derrubou. Ela me imobilizou e começou a me agredir. Eu não tive reação. Esse é o assunto na cidade e infelizmente estou sem entender o que eu tenho a ver com o problema dela e outra pessoa. Fui à delegacia de Wanderlândia e já registrei a ocorrência”, disse Solange.

Segundo a farmacêutica, que é concursada há seis anos em Piraquê, o desentendimento com a servidora começou após a postagem de uma foto com um colega no Facebook. A revolta da coordenadora é que o homem da foto seria suspeito de aliciar sua filha e, por causa disso, ela denunciou a farmacêutica ao Conselho Tutelar sob a alegação de que estaria expondo indevidamente sua filha.

“Eu acredito que a Joana está querendo aumentar as provas contra ele e, para isso, está envolvendo mais pessoas. Eu não tenho nada a ver com essa situação, e tenho dois filhos. Eu não posso deixar de postar algo com meus colegas por causa das intrigas pessoais dela”, desabafou.

O outro lado

A coordenadora se defende das acusações e nega que tenha agredido a colega de trabalho. “Ela omitiu o fato de que iniciou a discussão ao fazer publicações caluniosas que incitam confusão”, afirma.

Joana explica que o homem na foto com a farmacêutica é acusado de abuso sexual contra sua filha, de apenas 7 anos. Segundo ela, a audiência relacionada ao caso está marcada para o dia 22 de junho. “Ela usou as redes sociais para dizer que o acusado era inocente e que a justiça tinha sido feita. Esclareci que aquilo não era verdade, pois ainda estávamos aguardando a audiência. Falei também da minha dor de mãe, porém, ela postou novamente”, diz Joana.

No dia das supostas agressões, Joana afirma que a farmacêutica foi almoçar em um restaurante que fica quase em frente à sua casa, onde compra o almoço do seu pai, para provocá-la. “Falei com ela novamente e pedi que parasse com essa história, pois ela não tem o direito de brincar com a dor e o sentimento dos outros. Daí ela se levantou da cadeira, me jogou água e deu um empurrão. Eu só me defendi, a segurei e imobilizei“, se defende a coordenadora.

Comentários pelo Facebook: