Seet
Sobral – 300×100

Feitiço contra ‘intriga, inveja e olho inimigo’ cita Marcelo, delegado, promotor e secretário

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
O nome do governador aparece na lista

A Polícia Federal apreendeu uma lista contendo mandinga (feitiço) contra desafetos e até blasfêmia durante a 5ª fase da Operação Ápia no Tocantins, que foi deflagrada no último dia 18 de agosto tendo como alvos o governador Marcelo Miranda e o procurador-geral de Justiça do Estado, Clenan Renault de Melo Pereira. O documento foi publicado no blog do Fausto Macedo, do Estadão, nesta quinta-feira (31).

A lista de nomes é intitulada “pedido de afastamento e repreensão”. No papel há 16 nomes e uma obsessão: “afastar todas as intrigas, invejas, denúncias, enfim, o olho inimigo”.

São citados na lista o governador Marcelo Miranda; o secretário de Segurança Pública do Estado, César Simoni de Freitas; a conselheira do Tribunal de Contas do Estado, Doris de Miranda Coutinho; o delegado da Polícia Federal, Rildo Rodrigues de Lima; o procurador de Justiça, Marco Antônio Bezerra e a ex-presidente e ex-diretora de administração do Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Tocantins (Igeprev), Ângela Marques.

A relação de nomes que iriam para o sacrifício foi encontrada entre documentos apreendidos na residência de um alvo da 5ª fase da Operação Ápia. A PF ainda não apurou o motivo de tanto azedume. Em outro papel apreendido aparece o nome promotor de Justiça do Tocantins Edson Azambuja e uma blasfêmia. “Que seja derrotado, que não tenha forças nem pernas, nem boca, nem mãos para perseguir, trair, invejar minha família”.

Logo após a deflagração da operação, investigadores informaram que o ‘documento do mal’ teria sido localizado em meio à papelada encontrada no gabinete do procurador Clenan Renault. Oficialmente, a PF não se manifestou.

CLENAN RENAULT DE MELO

Ao blog, o Procurador-Geral de Justiça do Tocantins rechaçou com veemência ser o dono ou autor da lista. Em nota enviada por sua assessoria, Clenan Reanult repudiou tamanha heresia e declarou que é ‘Católico, Apostólico, Romano, e não compactua com qualquer atividade que destoe dos rituais e dos princípios da sua Igreja’.

Leia mais…

Governador Marcelo Miranda e Procurador Geral de Justiça são alvos de operação da Polícia Federal no Tocantins

Comentários pelo Facebook: