Sobral – 300×100
Seet

Funcionários reclamam da nova gestão do Hospital Municipal de Araguaína e denunciam problemas

Agnaldo Araujo - | - 790 views
Foto: Divulgação
Funcionários do Hospital Municipal reclamam da nossa gestão.

Funcionários do Hospital Municipal de Araguaína (HMA) e da Unidade de Pronto Atendimento do Setor Araguaína Sul (UPA) estão insatisfeitos com a nova administração do Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH), e denunciaram uma série de problemas nas unidades, como falta de café da manhã, medicamentos, ausência de refrigeração nos quartos e água quente nos bebedouros.

O IBGH foi contratado pela gestão do prefeito Ronaldo Dimas a partir de 1º de novembro de 2015, com um contrato de R$ 55 milhões durante dois anos.

Sem café da manhã

Uma enfermeira, que preferiu não ser identificada por temer represálias, relatou ao AF Notícias que a nova gestão reduziu o tempo de repouso durante os plantões, tirou o café da manhã dos funcionários e eles ainda estão descansando no chão, pois não são disponibilizados colchonetes. “Tiraram até o café da manhã e estão exigindo coisas da gente que a empresa não fornece. Onde já se viu trabalhar 12 horas e não ter café da manhã?”, questionou.

Reaproveitando antibióticos 

A profissional denunciou também que estão faltando antibióticos para os pacientes e, com isso, a orientação é para reaproveitar. “Estão querendo que a gente reaproveite em quantidades menores ou maiores para aplicar nos pacientes”, afirmou. Segundo ela, pacientes com diagnósticos diferentes estão ficando juntos no Hospital Municipal, o que não é permitido.

Calor

Outro problema no HMA é o calor intenso. Conforme uma funcionária, as crianças sofrem muito com o calor, com o acúmulo de pessoas e leitos apertados. O bebedouro também estaria com defeito, liberando apenas água quente, tanto para os funcionários quanto aos pacientes. “Estamos querendo que respeitem não só nossos direitos, mas também os dos pacientes”, acrescentou.

Enfermeiras fazem internações 

As enfermeiras ainda estariam fazendo internações dos pacientes, quando essa atribuição cabe ao administrador hospitalar. “Isso não existe. Eu não posso fazer o papel de administrador, eu não posso internar”, disse. Ela ainda disse que alguns funcionários estão pedindo o retorno da antiga gestora das unidades, a Pró-Saúde, devido aos vários problemas apresentados na atual gestão. “A [atual] coordenadora não briga pela gente, ela só acata a direçãoQueremos mais valor, principalmente os técnicos. Estamos na profissão porque realmente amamos o que fazemos” finalizou.

O outro lado

Em nota, o IBGH respondeu sobre todos os pontos questionados pela reportagem. Confira:

1) Corte no café da manhã para os colaboradores das duas unidades

A convenção coletiva acordada junto à classe estabelece duas refeições a serem oferecidas aos colaboradores, uma grande e outra pequena. Hoje o IBGH oferece um almoço e um lanche ou um jantar e um lanche conforme as escalas de trabalho dos colaboradores.

2) Horário de repouso dos colaboradores reduzido

O tempo de repouso dos colaboradores não fui reduzido, mas, sim, organizado para que não saiam todos ao mesmo tempo, prejudicando o atendimento do usuário. O tempo de repouso para escalas de 12 horas de plantão é de 1h15, dividido nas refeições.

3) Falta de espaço adequado para o repouso dos colaboradores

A sala de repouso do HMA conta atualmente com três camas. O número atende a demanda dos colaboradores conforme as escalas definidas para repouso. Na UPA, recentemente, foram adquiridas duas novas beliches.

4) Reaproveitamento de antibiótico: após abertos, eles seriam dosados de forma a durar mais tempo / Falta de antibióticos suficientes para a demanda de pacientes

Em relação aos medicamentos, as unidades trabalham com doses individualizadas. No final do plantão, eles são devolvidos à farmácia. E não há falta de antibióticos. As doses utilizadas na Pediatria são pequenas e, após diluídas, têm estabilidade de 24 horas, podendo ser usadas dentro deste período.

6) Leitos apertados e quentes – HMA

O IBGH informa que todas as enfermarias das duas unidades serão reformadas. Uma delas, no HMA, já está em reforma. É necessário terminar uma obra para iniciar outra para não comprometer o funcionamento das unidades.

7) Bebedouro quebrado para pacientes e colaboradores – HMA

O bebedouro da enfermaria do HMA, que atende pacientes e colaboradores, não apresenta defeitos e está funcionando normalmente.

8) Enfermeiros realizando internações ao invés de médicos

A informação não procede. Conforme estabelecido pelo Ministério da Saúde, somente profissionais médicos são autorizados a fazer a internação. O procedimento só acontece se o médico estiver na unidade. Toda a documentação de internação é preenchida pelo médico. As duas unidades gerenciadas pelo IBGH contam com médicos plantonistas 24 horas para que todas as intervenções de urgência sejam realizadas pelo médico.

Comentários pelo Facebook: