Sobral – 300×100
Seet

Gastos com pessoal no Tocantins somaram R$ 3,62 bilhões em 2015; salários podem ficar comprometidos

Redação AF - |
Foto: Divulgação
Pagamento dos servidores do Tocantins pode ficar comprometido a partir do meio do ano, alerta Mourão

Da Redação //AF Notícias

Desde 2015 o Tocantins vem estourando os limites previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal para gastos com funcionalismo público. Com a crise econômica no país e a e a queda nos repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE), o problema se agravou no ano passado.

Em dezembro de 2014, o ex-governador Sandoval Cardoso entregou o governo a Marcelo Miranda sem pagar a folha de dezembro. Marcelo, por sua vez, só conseguiu pagar o 13º salário a uma parte dos servidores públicos (77% do total).

Agora, o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Paulo Mourão (PT) fez um alerta que deixou aos servidores públicos estaduais preocupados. Segundo ele, se não houver uma reforma administrativa robusta e focada em uma forte redução da máquina administrativa, o pagamento do funcionalismo público estadual pode ficar comprometido a partir do meio desse ano.

O deputado avaliou ainda que se não houver um ajuste real e qualificado, garantindo o reequilíbrio financeiro e fiscal na gestão, o governo do Tocantins, assim como de outros estados, não conseguirá pagar os salários em dia já na metade do ano. Mourão está licenciado da Casa de Leis até abril para tratamento de saúde.

Gastos com folha de pagamento

Até agosto de 2015, o Tocantins já tinha atingido o percentual de 51,47% da Receita Corrente Líquida, ficando na segunda pior situação entre os Estados brasileiros. O limite máximo permitido é de 49%.

Conforme o Portal da Transparência, os gastos com pessoal atingiram R$ 3,62 bilhões (exatos R$ 3.627.682.748,68) no ano passado. Em 2014, o Estado gastou R$ 3.014.194.001,68 – uma diferença de R$ 613,4 milhões.

Já em 2013, o Tocantins gastou com pessoal o total de R$ 2.851.403.181,45 – diferença de R$ 162,7 milhões em relação a 2014.

Comentários pelo Facebook: