Seet
Sobral – 300×100

Professores da rede estadual decidem por greve; servidores do quadro geral também podem paralisar

Agnaldo Araujo -
Foto: Divulgação
A greve dos professores da rede estadual vai começar na próxima terça, 09

Os professores da rede estadual de ensino decidiram por greve a partir da próxima terça-feira (09/08), no Tocantins. A decisão unânime foi durante assembleia realizada na última quinta-feira (04/08), em Palmas.

Os profissionais da educação cobram o pagamento da data-base de 2016 e também os retroativos das progressões de 2013 e 2014 e das progressões de 2015 e 2016. Eles também cobram revisão no Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR).

Com a paralisação, mais de 176 mil alunos vão ficar prejudicados. As aulas para eles retornaram no último dia 1º de agosto e pouco após uma semana vão ser interrompidas.

Quadro geral

Nesta sexta-feira (05/08), os servidores públicos estaduais do quadro geral (Unitins, Adapec, Ruraltins, Naturatins, Intertins e administrativos da Sefaz), realizam assembleia a partir das 13h30, em Palmas.

A principal pauta do encontro é a deflagração de greve, também a partir da próxima terça-feira (09/08). A assembleia foi convocada pelo Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (SISEPE-TO).

Segundo a diretoria do Sindicato, a greve é o último recurso utilizado pelos servidores públicos na negociação para fazer com que o Governo do Estado efetive o pagamento dos retroativos da revisão geral anual (data-base) de 2015, bem como a implantação do índice de 9,8307% referente à revisão geral anual (data-base) 2016.

A data-base não é um benefício, é um direito constitucional e por força de lei estadual. Seu vencimento se dá no dia 1º de maio de cada ano. Embora haja previsão orçamentária para o pagamento – na LDO deste ano, artigo 46 -, todos os anos, os servidores precisam pressionar o Governo com inúmeros protestos para poder receber esse direito garantido em lei”, afirmou.

Outro lado

Em relação à paralisação dos professores, a Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc) disse que entende que as reivindicações são um direito dos servidores, mas espera, contudo, que qualquer definição tomada pela categoria não venha a prejudicar o ano letivo dos estudantes, principalmente os que estão em fase final de estudos para o Enem, vestibulares e outros processos seletivos.

A Seduc informou ainda que com relação a reposição de aulas eventualmente perdidas, qualquer definição será tomada somente após a confirmação de estado de greve dos educadores, a partir de um calendário específico para tal.

“O Governo do Estado é sensível às causas dos servidores públicos tocantinenses e se mantém disposto ao diálogo com todas as categorias para que os direitos de todos sejam garantidos, dentro da atual realidade de crise econômica brasileira e, portanto, do Tocantins”, finalizou.

Comentários pelo Facebook: