Sobral – 300×100
Seet

Grupo é contratado por R$ 8 mil para resgatar chefe do tráfico preso em Guaraí

Redação AF - |
Foto: Divulgação
O grupo planejava liberar vários presos da cadeia de Guaraí

A Polícia Civil de Colinas do Tocantins juntamente com agentes penitenciários desarticularam uma quadrilha que planejava resgatar vários presos da Cadeia Pública de Guaraí (TO).

Na operação, que aconteceu na manhã da última quinta-feira (24), foram apreendidos com o grupo vários celulares e um simulacro de arma de fogo, tipo pistola.

Segundo o delegado regional de Polícia Civil, Guido Camilo Ribeiro, entre os presos que seriam resgatados estava Manoel Bonfim Florência, de 31 anos, chefe do tráfico de drogas da cidade que foi preso na operação Blackmau, realizada neste mês.

“Os suspeitos receberam de Manoel 8 mil reais para o resgate.  Parte do dinheiro foi usado na aquisição de armas de fogo e simulacros de armas que seriam usados na ação criminosa”, afirmou o delegado.

Segundo a Polícia Civil, dois dos presos, Nilo Ferreira Sousa, de 20 anos, e Fernando Ribeiro Lima, de 25 anos, são de Palmas e estavam em Guaraí fazendo levantamentos da cadeia pública desde o dia 21 de dezembro.

Na cidade, o grupo contou com apoio de José Meres Rodrigues, de 32 anos, que é braço direito do traficante Bonfim.

Foto: Divulgação

Ainda segundo o delegado, outro detento que seria resgatado pelo grupo era Jorge Pereira Da Silva, de 31 anos, conhecido com “Bil”, preso por roubo e explosões a caixas eletrônicos. Os demais detentos que seriam resgatados ainda não foram identificados.

A Polícia Civil ainda está em busca das armas de fogo verdadeiras que seriam usadas pelo grupo na ação criminosa, sendo uma espingarda calibre 20 e duas pistolas. O intuito do grupo, além de resgatar os presos, era levar as armas da cadeia pública e a viatura.

A operação foi supervisionada pelos delegados Guido Camilo Ribeiro e Olodes Maria Oliveira Freitas e coordenada pelo delegado Adriano Carrasco dos Santos. O grupo responderá pelo crime de associação criminosa.

Comentários pelo Facebook: