Sobral – 300×100
Seet

Homem é preso suspeito de abusar sexualmente da própria filha e de enteados 

Redação AF - | - 707 views
Imagem Ilustrativa

A Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente de Tocantinópolis prendeu na última quinta-feira (16) um homem, de 46 anos, acusado e abusar sexualmente da filha de 4 anos e dois enteados, quando estes tinham entre nove e doze anos de idade.  O homem foi preso, mediante o cumprimento de mandado de prisão temporária, pela prática dos crimes de estupro, estupro de vulnerável e ameaça.

Conforme o delegado Thiago Daniel de Morais, responsável pelo caso e pela prisão do suspeito, as investigações da Polícia Civil foram iniciadas após a própria esposa,  filhos e enteados do acusado procurarem a delegacia a fim de denunciar os crimes cometido por D.A.M.

“Há cerca de 10 dias, a família nos procurou e relatou todos os fatos, que estavam acontecendo, sendo que o enteado da vítima, hoje com 18 anos de idade, relatou que foi estuprado pelo padrasto do nove aos 12 anos e, que sua irmã, hoje com 16, também sofreu abusos na mesma época”, ressaltou o delegado.

O depoimento das vítimas conta que, atualmente, a irmã de ambos, uma criança de apenas quatro anos e filha do autor, também estava sendo abusada pelo suspeito. Ao ser ouvida a mãe disse que era constantemente ameaçada de morte pelo autor, a fim de que não comunicasse à polícia acerca da conduta do indivíduo.

Diante dos fatos, o delegado instaurou inquérito e passou a investigar o caso, sendo que após alguns dias, obteve mais indícios que comprovavam a prática dos estupros. Dessa maneira, o delegado representou, junto ao Poder Judiciário, pela prisão temporária do autor, a qual foi deferida de imediato pelo juízo da Comarca de Tocantinópolis.

Com a ordem judicial em mãos, o delegado e sua equipe foram até o local de trabalho do indivíduo e o prenderam. Após ser encaminhado à delegacia para os procedimentos cabíveis, D.A.M, foi recolhido à carceragem da Cadeia Pública de Tocantinópolis, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

Comentários pelo Facebook: