Hospital de Palmas é condenado a pagar R$ 100 mil a paciente por infecção hospitalar

Redação AF - | - 568 views
Foto: Divulgação
Paciente contraiu infecção hospitalar no hospital

Um hospital de urgência de Palmas foi condenado a indenizar um paciente que ficou com sequelas após ser acometido por uma infecção hospitalar. A justiça estipulou o valor de R$ 100 mil a título de compensação por danos morais e materiais, além de pensão mensal vitalícia de um salário mínimo.

A sentença foi publicada na segunda-feira (28) pela 1ª Vara Cível de Paraíso do Tocantins.

O autor da ação disse que contraiu a infecção após ter sido submetido a procedimento cirúrgico em razão de hérnia de disco.

Segundo consta no processo, o paciente apresentou complicações no pós-operatório e foi submetido por duas vezes a tratamentos não eficazes já que um laudo médico apontou a existência de infecção hospitalar por bactéria e resistente aos antibióticos prescritos.

Agravando-se o quadro clínico, e com o iminente risco de morte, o paciente teve que procurar atendimento fora do estado, já que os hospitais do Tocantins não disponibilizavam de uma câmara hiperbárica. O tratamento foi de seis meses.

Na sentença, o juiz Adolfo Amaro Mendes condenou o hospital a pagar R$ 50 mil a título de compensação pelos gastos do tratamento médico realizado junto a um hospital especializado em Ribeirão Preto/SP e o valor de R$ 10.627,63 pela coparticipação paga junto ao plano de saúde.

Além disso, o hospital terá que indenizar o paciente em R$ 40 mil a título de danos morais. Os valores serão acrescidos de juros moratórios de 12% ao ano a partir da data do procedimento cirúrgico.

O juiz ainda condenou o hospital a pagar pensão mensal vitalícia equivalente a um salário mínimo vigente à época do vencimento de cada prestação, desde a data do evento danoso.

O juiz explicou que a pensão mensal é cabível quando o problema impedir a pessoa de exercer o seu ofício ou profissão ou lhe diminuir a capacidade de trabalho.

Cabe recurso da decisão.

As informações são da assessoria do Tribunal de Justiça.

Comentários pelo Facebook: