Seet
Sobral – 300×100

A ausência dos deputados de Araguaína em reunião e o atraso de Marcelo para assinar convênio federal

Redação AF - | - 669 views
Foto: Divulgação
Perguntas sem respostas após uma reunião que durou mais de 1 hora entre Dimas e Marcelo Miranda.

Arnaldo Filho //Opinião

Duas incógnitas, principalmente, ficaram sem respostas durante a audiência do prefeito de Araguaína (TO) com o governador Marcelo Miranda (PMDB), realizada nesta terça-feira (16) para discutir as dívidas do Estado com o Município que já somam quase R$ 20 milhões, além de obras e convênios paralisados.

A primeira delas, e mais latente, foi a ausência da bancada de deputados estaduais de Araguaína (TO). Dos quatro parlamentares, apenas Elenil da Penha esteve presente – e foi quem também marcou a reunião.

Por outro lado, Olyntho Neto (PSDB), Jorge Frederico (SD) e a própria líder do Governo na Assembleia Legislativa, Valderez Castelo Branco (PP) (a ex-prefeita de Araguaína por 8 anos), não compareceram. Todos fazem oposição à gestão do prefeito Dimas. Valderez justificou que estava em reunião da saúde com diretores do Hospital Dom Orione, de Araguaína, e avisou sobre sua ausência.

Na legislatura passada, a falta de representantes da cidade no Legislativo Estadual era uma das reclamações mais recorrentes da sociedade e até mesmo dos líderes políticos. Com apenas um deputado naquela época, Araguaína tinha pouca representação e os debates quase sempre esbarravam na falta de apoio político da cidade.

Hoje, temos quatro deputados estaduais (17% dos parlamentares) e dois federais (César Halum e Lázaro Botelho – ambos da base governista), além de um governador, Marcelo Miranda, que afirma aos quatro cantos ter um “carinho muito grande por Araguaína”. Mas o que isso muda na prática?

Poderia mudar muitas coisas, mas essa reunião, especificamente, mostrou que a política-partidária e talvez o egoísmo podem superar os interesses de 170 mil habitantes.

A dívida do Estado com Araguaína vem se agravando mensalmente e já soma quase R$ 20 milhões, dos quais R$ 6 milhões só na área da saúde. Não seria este um justo motivo para a união das forças?

Foto: Divulgação
Deputados de Araguaína não comparecem a reunião para discutir problemas da cidade.

A outra incógnita reside na demora, injustificada, do governador Marcelo Miranda em assinar um convênio com recursos do Governo Federal, através do FGTS, cuja contribuição do Estado se resume a apenas 5% do valor da obra, cerca de R$ 2 milhões – valor irrisório para o Governo do Estado. Os setores beneficiados com as obras representam quase metade da população de Araguaína.

O Governo esquece também que “punir” a gestão municipal com atrasos recorrentes de repasses obrigatórios, como o da saúde, representa punir severamente toda a população da região norte do Estado.

Diante de realidades tão agonizantes, precisamos nos despir de vaidades e pensar mais na coletividade, e bem menos na política-partidária.

Comentários pelo Facebook: