Seet
Sobral – 300×100

Justiça concede liberdade a ex-secretário do Fórum de Wanderlândia suspeito de falsificar alvarás judiciais

Agnaldo Araujo - | - 709 views
Foto: Divulgação
O servidor foi preso quando tentava sacar R$ 170 mil usando alvará falso

O ex-secretário do Fórum de Wanderlândia (TO), Vinícius Ricceli Martins Medeiros, de 23 anos, foi solto pela Justiça Federal na última sexta-feira (29/04). Ele é suspeito de falsificar alvarás para sacar dinheiro em contas judiciais e havia sido preso no último dia 20 quando tentava retirar R$ 170 mil em uma agência da Caixa Econômica de Araguaína (TO).

O suposto comparsa Crispim Anderson Rodrigues Correa também foi liberado. As decisões foram proferidas pela Juíza Federal Roseli de Queiros Batista Ribeiro, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Subseção Judiciária de Araguaína (TO).

Os pedidos de liberdade foram manejados pelo advogado José Quezado, destacando que os jovens podem responder ao processo em liberdade por possuírem residência fixa, emprego lícito e por não existir qualquer evidência de que possam fugir.

Dessa forma, a juíza entendeu que não mais subsistem os requisitos da prisão preventiva. Além disso, a decisão destaca que os jovens demonstraram não ser pessoas dedicadas à prática habitual de delitos.

O caso

O ex-funcionário do fórum de Wanderlândia foi preso pela Polícia Federal, no dia 20 de abril, quando tentava sacar R$ 170 mil em uma agência a Caixa Econômica Federal em Araguaína utilizando-se de um alvará falso. Segundo a PF, no dia 07 de abril ele já teria sacado R$ 168 mil. No momento do flagrante ele estava acompanhado de Crispin Anderson.

Eles foram detidos pela PF após uma funcionária desconfiar da ação. Ela ligou para o Fórum de Wanderlândia e foi informada que o secretário do Fórum não estava autorizado a realizar o saque.

Ricelli é estudante de direito de uma faculdade de Araguaína e trabalhava há pelo menos dois anos como secretário no Fórum de Wanderlândia. Crispin também é estudante universitário. Eles vão responder por estelionato, falsificação de documento público e uso de documento falso.

Comentários pelo Facebook: