Sobral – 300×100
Seet

Kátia negocia filiação ao PDT para disputar Governo do Estado em 2018, diz Estadão

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
A senadora mostrou-se indiferente à decisão do partido.

A senadora tocantinense Kátia Abreu, que atualmente está no PMDB, negocia mudar de sigla e se filiar ao PDT para disputar o Governo do Estado em 2018. A informação foi apurara pelo jornal Estadão e divulgada nesta segunda-feira (01).

Kátia Abreu vive um clima tenso no PMDB desde o ano passado quando decidiu ficar ao lado da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) no processo de impeachment.  O novo cenário polêmico que envolve a senadora é a denúncia contra o presidente Michel Temer, mesmo partido dela, mas que não tem seu apoio.

A senadora usou as redes sociais para afirmar que o presidente do PMDB e líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), tenta amedrontar deputados peemedebistas. A intenção seria evitar dissidências na votação da denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara. “Jucá reúne Executiva para pedir minha expulsão e de (senador Roberto) Requião (PMDB-PR) do partido. E a turma da tornozeleira não vai pedir. Vai convidar Cunha e Geddel?“, questionou a senadora, por meio de sua conta no Twitter. “Na verdade, Jucá está nos usando para amedrontar os deputados do PMDB no dia da votação contra Temer no plenário da Câmara”, reforçou.

Kátia foi alvo de um pedido de expulsão do partido por ter se recusado a deixar o governo Dilma Rousseff quando o partido decidiu apoiar o impeachment, no ano passado. Ela era ministra da Agricultura na época. O pedido, porém, ainda não foi analisado pela Comissão de Ética da legenda.

Já Requião protagonizou um bate-boca com Jucá por meio das redes sociais no fim de semana. O presidente do partido disse que convocaria uma reunião da Executiva para analisar irregularidades nas contas do diretório estadual do PMDB no Paraná, que é presidido por Requião.

Estamos abertos e vamos discutir o PMDB com o senhor e quem quiser. Não estava procurando ninguém para entrar com ação no PMDB. Mas agora eu, presidente do PMDB, levarei essa história, essa situação do Paraná para a reunião da Executiva”, afirmou Jucá em vídeo divulgado no domingo passado, 30. Requião, por sua vez, disse que não teme qualquer medida da Executiva contra ele.

DENÚNCIA CONTRA TEMER

O partido fechou questão na votação da denúncia contra Temer, marcada para ocorrer nesta quarta-feira, 2. Também pelo Twitter, Jucá voltou a afirmar nesta terça-feira que deputados do PMDB que votarem a favor “sofrerão consequências”.

O @PMDB_Nacional fechou questão em relação à votação da denúncia contra o presidente Temer. Reafirmo que, como presidente do partido, qualquer ato em contradição a essa decisão sofrerá consequências”, escreveu.

Segundo o Placar do Estado, dos 63 deputados da legenda, 4 já disseram que votarão a favor da aceitação da denúncia contra o presidente da República. (Com informações – Estadão)

Comentários pelo Facebook: