Seet
Sobral – 300×100

Luciano Huck admite possível candidatura à presidência: “é hora de minha geração ocupar os espaços de poder”

Redação AF - - 825 views
Foto: Divulgação
Luciano Huck, apresentador do programa "Caldeirão do Huck", da Rede Globo.

Há dez anos, o apresentador da TV Globo Luciano Huck declarou que poderia se candidatar, algum dia, à Presidência da República. Em entrevista publicada nesta quinta-feira (30) pela Folha de S. Paulo, Huck evitou responder se esse momento chegou, mas deixou entreaberta a possibilidade. Para ele, é hora de sua geração ocupar os espaços de poder. “É uma geração que ainda não está na política como deveria, mas vai estar. A renovação que a gente precisa passa por uma renovação geracional”, declarou.

Na avaliação dele, o país vive um “trauma ético e moral”. “Cara, o Brasil precisa de renovação e tem uma classe política completamente desmoralizada, sem nenhum apelo popular, atração, charme. Se vou ser eu, não faço a menor ideia. Quero poder ajudar a identificar lideranças”, disse. Questionado se vai se lançar ao Planalto em 2018, o apresentador desconversa: “Esta é sempre a pergunta pegadinha. Não dá para responder na atual conjuntura”. “Se me perguntarem se vou concorrer a algum cargo eletivo, eu não sei responder. E qualquer tipo de resposta é especulação, fofoca”, afirmou.

Aos 45 anos, Huck nega ser tucano, mas admite proximidade com o PSDB. Afirma que é amigo do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), “a cabeça mais moderna do Brasil”, aos 85 anos, nas palavras dele. Enteado do economista Andrea Calabi, secretário-executivo do Ministério do Planejamento e presidente do Banco do Brasil e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no governo FHC, ele aponta a gestão do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), como “bom exemplo”.

Na entrevista à jornalista Eliane Trindade, Huck defende o fim da polarização entre tucanos e petistas. “O único jeito de arrumar esse país é se a gente conseguir fazer um pacto apartidário. Sem revanchismo, sem revolta. Se foi golpe ou se não foi golpe, não importa”, afirmou.

Segundo o apresentador do Caldeirão do Huck, a mobilização “não é contra A, B, C”. “O sistema todo entrou em colapso. Independentemente de partido, de ideologias. E a falência do sistema como um todo é uma oportunidade como poucas na história do Brasil. Vamos aproveitar que o castelo caiu e construí-lo direito, em outras bases.”

Leia a entrevista do apresentador à Folha

(Congresso em Foco)

Comentários pelo Facebook: