Sobral – 300×100
Seet

Mais de 20 pessoas são denunciadas por tráfico de drogas e lavagem de dinheiro no Tocantins

Agnaldo Araujo -
Foto: Divulgação/SSP
Um dos presos durante a operação em dezembro de 2016

O Ministério Público Estadual ofereceu denúncia, no último dia 25 de maio, contra 21 pessoas suspeitas de participação em uma organização criminosa constituída para a distribuição de drogas em Palmas e cidades circunvizinhas. A denúncia foi realizada por meio do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), órgão de execução do MPE.

O grupo de criminosos foi desmontado em dezembro de 2016, em operação conjunta do Gaeco e a Delegacia de Repressão a Narcóticos – Denarc, através da Operação Hórus, que é uma referência ao termo mitológico que representa a vitória do bem contra o mal, fazendo vencer a luz. Todos devem responder por tráfico de drogas, associação para o tráfico e lavagem de dinheiro.

A denúncia relata que as investigações conjuntas ocorreram por quase um ano, depois que o chefe da organização criminosa, Antônio Gomes Boaventura, vulgo Meu Rei, foi preso por tráfico de drogas em Paraíso.

Segundo consta, mesmo preso o criminoso continuou articulando a comercialização de drogas. Interceptações telefônicas e investigações de campo possibilitaram ao Gaeco e à Denarc fazer as conexões e identificar todos os integrantes do grupo que era formado por oito núcleos com tarefas distintas, a saber: núcleo de comando, núcleo de cobranças e braço armado, núcleo de transporte e armazenamento das drogas, núcleo de tráfico independente e núcleos de distribuição que subdividiu-se por regiões da capital (centro/ sul; região sul, centro/norte e cidades circunvizinhas).

A droga distribuída no Tocantins era proveniente de Goiânia (GO). Estima-se que a organização criminosa comercializava 300 quilos de maconha, 20 quilos de crack e 10 quilos de cocaína, todo mês.

Veja mais

Organização criminosa guardava drogas em tonéis subterrâneos no Tocantins

Comentários pelo Facebook: