Sobral – 300×100
Seet

Mesmo após várias críticas, governador nomeia quase 70 novos diretores escolares

Agnaldo Araujo - |
Foto: Márcio Vieira
68 novos diretores escolares foram nomeados

Mesmo após várias críticas ao modelo de seleção, o governador Marcelo Miranda (PMDB) designou 68 professores efetivos da rede estadual de ensino para a função de diretor escolar a partir do ano letivo de 2018.

Os novos diretores ainda passarão por um período de formação e durante a gestão, que é de até 3 anos, serão avaliados continuamente sobre o cumprimento das metas estabelecidas no plano de ação apresentado.

Os professores foram aprovados para a função por meio de processo seletivo. No entanto, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet) e o Ministério Público Estadual manifestaram preocupação quanto ao processo.

O Sintet afirmou, quando o processo seletivo foi anunciado, que ele excluía a participação da comunidade, pois estava previsto que após as etapas de seleção, a lista de candidatos classificados seria encaminhada ao governador com os nomes em ordem alfabética, por unidade de ensino e município. O governador, por sua vez, decidiria qual deles seria nomeado para a função de diretor escolar.

Ao contrário do que o edital propõe, o Sintet luta por eleição direta, genuinamente democrática com participação efetiva da comunidade escolar”, disse na época.

O MPE chegou a instaurar um inquérito civil público para acompanhar as providências adotadas pelo Governo do Estado quanto ao cumprimento da gestão democrática na educação pública. O órgão afirmou que o procedimento subtraía a “a prévia consulta à comunidade escolar, além de usurpar as prerrogativas do Poder Legislativo na elaboração de Lei Ordinária específica, destinada a normatizar a gestão democrática no âmbito escolar”.

O edital também violava “as metas e estratégias traçadas sobre o tema nos Planos Nacional e Estadual de Educação”, conforme o MPE.

Por outro lado, a secretária de Educação Juventude e Esportes, professora Wanessa Zavarese Sechim, disse que a seleção por meio de qualificação técnica e a possibilidade de formação, o monitoramento e avaliação constante dos resultados, são muito importantes no fortalecimento da gestão escolar. “Continuamos buscando a garantia de educação de qualidade para todos tocantinenses nesse governo, passo a passo e dentro de um planejamento pré-estabelecido”, afirmou.

ETAPAS

O certame foi realizado em quatro etapas. A avaliação de competência técnica, por meio de prova objetiva, com caráter eliminatório e classificatório, ocorreu em outubro de 2017. A segunda e terceira etapas consistiram na entrega do plano de gestão dos candidatos e na apresentação de títulos, ambas no início de novembro do mesmo ano. A última etapa foi a entrevista, focada na avaliação do conhecimento do candidato sobre gestão escolar, experiência acadêmica e profissional e argumentação em relação à aplicabilidade do plano de gestão.

“Os planos de trabalho traçam metas, objetivos voltados à melhoria do aprendizado dos alunos, por meio de uma gestão compartilhada, democrática, transparente”, contou a secretária de Educação Juventude e Esportes.

Segundo ela, os novos diretores colocarão seus planos em ação já no início do ano letivo de 2018 e eles serão monitorados e avaliados pela equipe da educação em todas as suas etapas.

VEJA MAIS

Processo seletivo para diretor escolar é ‘ação midiática’ da secretária de Educação

MPE vê ilegalidades em processo seletivo para diretor escolar e instaura inquérito

Comentários pelo Facebook: