Seet
Sobral – 300×100

Morte de suspeito espancado em Araguaína gera debate na internet

Agnaldo Araujo - |
Foto: Marcelo Costa
O assaltante morreu na madrugada da última sexta, 08

Agnaldo // AF Notícias

A morte do jovem Vanderson Nogueira da Silva, de 22 anos de  idade, na madrugada desta sexta-feira (07/04) na Casa de Prisão Provisória de Araguaína (CCPA) dividiu opiniões e questionamentos nas redes sociais, tais como: “até que ponto a justiça com as próprias mãos é válida?”.

Vanderson foi espancado por populares na última quarta-feira (06/04) com socos, chutes e pedradas, quanto tentava praticar um roubo em uma conveniência no Setor Entroncamento, em Araguaína. Ele ficou caído no chão até a chegada da polícia.

Nas redes sociais, enquanto muitos comemoravam a morte do suspeito, outros chamavam a atenção para o lado “humano do caso”. “Foi tarde”, disse uma internauta. “Onde vai ser a festa?”, dizia outro post. Já outro afirmou que a “casa tá caindo” (sic).

O diretor da CPPA, Magno Reis, afirmou à imprensa que Wanderson já chegou na unidade prisional em estado grave, com cortes na boca, olho roxo e outros sinais do espancamento. “Ele não conseguia ter nenhuma reação, não falava e não abria os olhos,” descreveu Reis.

Ainda conforme a direção da CPPA, o preso chegou a ser levado ao Hospital por quatros vezes e os familiares estavam o acompanhando.

Reflexão sobre o caso

Outros internautas fizeram comentários mais reflexivos sobre o episódio. “O que nos diferencia de bandidos, é não ser bandido”, diz um deles, acrescentando que a sociedade está decaindo enfurecida pela falta de segurança pública e fazendo justiça ao próprio modo. “Não culpo quem o faz, só peço um pouco mais de consciência para não nos tornarmos tão ruins quanto os que fazem o mal”, alertou.

Justiça com as próprias mãos

Fazer justiça com as próprias mãos está cada vez mais recorrente em Araguaína. No dia 31 de março, outro assaltante foi imobilizado quando ele tentava praticar um assalto. Em vídeo divulgado também nas redes sociais uma mulher fica revoltada e o manda ir trabalhar.

Comentários pelo Facebook: