MPE abre investigação independente sobre morte de sargento por policiais civis

Agnaldo Araujo -
Foto: Divulgação
O sargento José Maria Rodrigues de Almeida

O Ministério Público Estadual instaurou um inquérito para investigar a morte do sargento da Polícia Militar José Maria Rodrigues de Almeida, ocorrido durante uma ação de agentes da Polícia Civil em um bar de Palmas, na noite do dia 26 de abril.

O MPE quer identificar com provas a autoria do crime e também eventuais responsabilidades criminais dos possíveis coautores. O assassinato do sargento ganhou repercussão em todo o Estado e a Associação dos Praças Militares do Estado do Tocantins (Apra) pediu a prisão preventiva dos policiais envolvidos no caso para não atrapalhar as investigações.

O sargento Rodrigues estava em um bar quando foi abordado por uma equipe da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoal (DHPP), chefiada pelo delegado Cassiano Oyama, que fazia diligências em busca de um suspeito.

O militar estava ouvindo som automotivo. O delegado ordenado que ele diminuísse o volume do som e ao perceber que o homem estava armado, ordenou também que colocasse a pistola no chão. A Polícia Civil diz que ele não obedeceu e nem se identificou como militar.

Em seguida, o sargento foi alvejado com três disparos de fuzil de calibre 5.56 e de outra arma calibre .40, segundo a Polícia Militar.

José Maria Rodrigues morreu no dia seguinte no Hospital Geral de Palmas após passar por cirurgia.

Veja mais…

APRA quer prisão de policias civis que atiraram em sargento e ‘apuração rigorosa’

Sargento foi alvejado a tiros de fuzil e pistola .40, diz Comando Geral da Polícia Militar

Comentários pelo Facebook: