Sobral – 300×100
Seet

MPE faz licitação no valor de R$ 403 mil para aquisição de cadeiras, poltronas e sofás

Redação AF - |
Foto: Divulgação
Ministério Público Estadual (MPE)

O Ministério Público Estadual (MPE) abriu procedimento licitatório para aquisição de cadeiras, poltronas e sofás, com gastos estimados em mais de R$ 400 mil. A ata de registro de preços foi publicada no Diário Eletrônico, no último dia 05 de junho.

Segundo o documento, a licitação visa aquisições futuras, destinados ao atendimento das necessidades da sede da Procuradoria-Geral de Justiça em Palmas, das Promotorias de Justiça da Capital e do Interior do Estado, com validade de 12 meses.

Foram feitas cotações, por exemplo, para aquisição de 26 poltronas presidente giratória, no valor unitário de R$ 2,5 mil, e 8 sofanetes com 3 lugares, a um custo de R$ 2,9 mil cada. O custo total é de R$ 403.190,00. A vencedora foi a empresa MB Escritórios Inteligentes Ltda, de Palmas.

Conforme o contrato, o preço dos itens poderá ser revisto a qualquer tempo, em decorrência de eventual redução daqueles existentes no mercado. O fornecedor terá o registro cancelado caso se recuse a baixar os preços na hipótese de se tornarem superiores aos praticados no mercado.

O outro lado

Em nota, o Ministério Público prestou os seguintes esclarecimentos.

– A realização da licitação tem por objetivo garantir uma possível aquisição futura de mobiliário. Os produtos licitados serão adquiridos somente se houver necessidade, recursos em caixa e se a referida compra não comprometer as finanças da Instituição.
– O Ministério Público poderá optar por não adquirir os móveis licitados. Mas se fizer opção pela aquisição, poderá comprar apenas parte dos objetos licitados.
– Os móveis licitados poderão ser adquiridos parceladamente ao longo dos 12 meses de vigência do contrato, de modo a causar menos impacto no orçamento institucional.
– A possível aquisição dos objetos visa atender a necessidade da sede da Procuradoria-Geral de Justiça e das promotorias de Justiça das 42 comarcas do Estado.

Comentários pelo Facebook: