Mulher acidentada morre após passar por UBS sem médico; ‘negligência’, diz família

Agnaldo Araujo -
Foto: Divulgação
A babá Sandra Silva Cruz

Márcia Costa//AF Notícias 

A família da jovem Sandra Silva Cruz, de 25 anos, entrou com uma ação na justiça contra o Município de Centenário, no Tocantins, por negligência e erro médico. A mulher morreu horas depois de ter sofrido um acidente, passar por uma Unidade de Saúde e ser liberada sem realizar nenhum exame. O triste caso ocorreu no dia 15 de abril deste ano.

Segundo familiares, Sandra trafegava de motocicleta quando perdeu o controle ao desviar de um pedestre e caiu. Um policial prestou socorreu a jovem e a encaminhou à unidade de saúde.

A família diz que a jovem não realizou nenhum exame para verificar as lesões ou diagnosticar a gravidade dos ferimentos, nem foi encaminhada para um hospital de maior complexidade. “Chegando ao local, a técnica de enfermagem não fez nem o prontuário, aplicou apenas remédios injetáveis e mandou minha irmã ir para casa. Cerca de cinco horas depois ela morreu”, relatou Alberto Silva Cruz.

Conforme o atestado de óbito, Sandra morreu devido a traumatismo craniano, lesões no pulmão, fígado e baço.

Segundo os familiares, não há médico na Unidade de Saúde há quase dois meses e todos os atendimentos de urgência e emergência no município estão sendo feitos por uma enfermeira e uma técnica de enfermagem.

“A revolta é com o descaso e negligência que ocorreu. O médico disse que se ela tivesse sido encaminhada a Pedro Afonso ou Palmas, ela estaria na UTI. Pelo menos estaria lutando pela vida”, disse Abelma Lira Tavares, cunhada de Sandra.

O prefeito de Centenário é Wesley Camilo (PSDB). Para ele, foi uma fatalidade. “A técnica em enfermagem fez o procedimento cabível a um técnico, infelizmente houve uma fatalidade. O município teve sua culpa pela falta do médico? Talvez, mas a técnica fez o seu procedimento”, disse.

Dois dias após a morte, a Prefeitura de Centenário publicou no Diário Oficial uma licitação para contratação de médico.

Reparar danos

Conforme os advogados Douglas Alves Ferreira DiasDanilo Santiago Barbosa, que representam a família da vítima, a “a ação na justiça visa reparar os danos causados à família, além de penalizar a conduta negligente dos agentes públicos envolvidos no caso”.

Os advogados também constataram várias outras irregularidades. “A servidora pública que prestou atendimento à vítima está lotada na Secretaria de Finanças do município, logo, não está devidamente investida no corpo técnico da unidade de saúde, exercendo a enfermagem em desvio de função, além da ausência do médico do município, há mais de dois meses, conforme dito pelo prefeito”, pontuaram os advogados.

A Delegacia de Polícia Civil de Itacajá também instaurou inquérito para investigar o caso. Após a conclusão das investigações, os advogados vão acionar o Ministério Público e adotar medidas no âmbito penal, cível e administrativo. “Entendemos que houve prática de ilícitos penais, crimes de responsabilidade e improbidade administrativa. A família da vítima a população não podem ficar a mercê do descaso e impunidade que há tempos contabiliza vítimas”, dizem.

O outro lado

A secretária de Saúde do município, Kelma Sousa, disse que abriu uma sindicância para apurar o caso da morte da mulher e o resultado deve sair no mês de maio. Acrescentou que a técnica de enfermagem que atendeu a babá foi afastada de suas funções e o município de Centenário aguarda ser notificado sobre a ação judicial.

Com informações do portal Centro Norte Notícias (CNN).

Comentários pelo Facebook: