OAB pede que TRE defina regras ‘claras e objetivas’ para eleição suplementar

Agnaldo Araujo - |
Foto: Zezinha Carvalho
Sede do Palácio Araguaia

A Ordem dos Advogados do Brasil, seccional do Tocantins, pediu que as regras a serem definidas pelo Tribunal Regional Eleitoral, nesta quarta-feira (04), sejam ‘claras, objetivas e sem dar margem para questionamentos que possam colocar a eleição suplementar no Tocantins em dúvida’.

A manifestação ocorreu através das comissões de Direito Eleitoral e de Combate ao Caixa 2 e em Defesa do Voto Consciente.

Conforme a OAB, o Tocantins passa por uma grave crise política e econômica e, por isso, não pode correr o risco de uma disputa eleitoral sem segurança jurídica.

“São necessárias garantias de que todos os postulantes inscritos tenham legitimidade para concorrer. A cassação do governador e de sua vice já foi um evento traumático e a substituição deles precisa ser feito em processo eleitoral perfeito, dando todas as garantias à população tocantinense”, afirmou a OAB.

Comentários pelo Facebook: