Operação ‘Pontes de Papel’ investiga organização que teria desviado R$ 420 milhões do Governo do Tocantins

Agnaldo Araujo - - 767 views
Foto: Divulgação
PF na Secretaria de Infraestrutura do Estado

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feria (06) a operação ‘Pontes de Papel’. O objetivo da ação é investigar fraudes licitatórias, peculatos, corrupções ativas, passivas, crimes contra o sistema financeiro, fraudes na execução de contratos administrativos e cartel praticados por organização criminosa infiltrada no Governo do Estado com a finalidade de desviar recursos públicos.

Os valores deveriam ser destinados à execução de obras públicas de construção de pontes e rodovias no Estado. Cerca de 160 policiais federais cumprem 59 mandados judiciais, sendo 31 mandados de intimação e 28 mandados de busca e apreensão no Tocantins, Goiás, Bahia, Mato Grosso e Distrito Federal.

Os principais alvos da operação são o governador Marcelo Miranda (MDB), o pai dele, Brito Miranda, e o ex-governador Siqueira Campos (DEM).

A investigação começou após solicitação do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que a Polícia Federal promovesse a sistematização de dados relacionados a superfaturamento e ordens de pagamentos emitidas em determinados contratos, bem como identificação dos responsáveis pelos eventuais desvios.

A PF apurou durante as investigações que havia nas fraudes sempre o envolvimento de um núcleo político, um núcleo de empresários e um núcleo de servidores públicos e funcionários. No último núcleo estavam incluídos os membros da comissão de licitação, fiscais, diversos comissionados e funcionários de empresa.

Os valores gastos pelo Estado nas obras investigadas chegaram a R$ 1,4 bilhão, dos quais estima-se que foram desviados cerca de 30% dessa quantia, equivalente a R$ 420 milhões.

O nome da operação faz referência à construção de inúmeras pontes que não passaram do papel, tendo em vista a inexecução das obras.

SIQUEIRA CAMPOS

Em nota, a assessoria do ex-governador Siqueira Campos disse que ele estará sempre à disposição da Justiça para prestar os esclarecimentos necessários. “Como homem público, ele não se esquiva de responder qualquer questionamento. Palmas e o Tocantins conhecem as pontes construídas por Siqueira Campos, como as da cidade de Paranã, Lajeado, Barra do Ouro e a ponte da Integração Nacional, ligando Palmas à BR-153 e ao Brasil”, afirmou.

A assessoria também disse que Siqueira Campos sempre cumpriu seu dever de governador ao buscar recursos para investimentos no Estado, mas jamais foi ordenador de despesas, gestor de contrato ou responsável por medições de responsabilidade técnica. “Existe farta jurisprudência sobre esse tema. Ainda assim, ele jamais deixará de contribuir e esclarecer o que lhe for possível”, finalizou.

VEJA TAMBÉM

Polícia Federal cumpre mandados em Palmas contra esquema das ‘pontes de papel’

Comentários pelo Facebook: