Sobral – 300×100
Seet

PF conduz Eduardo Siqueira para prestar esclarecimentos sobre rombo bilionário no Igeprev

Agnaldo Araujo -
Foto: Divulgação
O deputado foi conduzido pela Polícia Federal

O deputado estadual Eduardo Siqueira (DEM) foi conduzido pela Polícia Federal, na manhã desta terça-feira (27). A ação faz parte da Operação Naum, que tem o objetivo de desarticular suposta organização criminosa que operava esquema de fraudes em aplicações do instituto em fundos problemáticos que geraram enormes prejuízos ao Igeprev, mediante pagamento de vantagem indevida.

Eduardo Siqueira, que está licenciado do cargo de deputado, está na sede da PF prestando depoimento. O parlamentar já foi presidente do Conselho de Administração do Igeprev.

Policiais Federais estão cumprindo medidas judiciais nos estados do Tocantins, Goiás, Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo e no Distrito Federal. Auditorias realizadas pelo Ministério da Previdência Social e Sindicância realizada pelo próprio Igeprev apontam que o instituto reiteradamente efetuou aplicações em desacordo com os limites e modalidades de aplicação permitidas pela resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN), bem como em fundos problemáticos com alto risco de perdas.

Foi apurado prejuízo ao erário de cerca de R$ 260 mil. Também foram constatadas aplicações no montante de R$ 1,176 milhões em 27 fundos sem liquidez e com possíveis prejuízos.

O ex-secretário de Estado da Administração e ex-presidente do conselho do instituto, Lúcio Mascarenhas, também foi conduzido pela PF para prestar esclarecimentos. Os prejuízos do órgão com investimentos de risco, um fundos podres, feitos na época em que o pai do deputado, Siqueira Campos (sem partido), era governador, somam cerca de R$ 1 bilhão.

Logo no início do dia os policiais federais se deslocaram para o prédio do Igeprev, antes mesmo da chegada dos funcionários do instituto.

Nome da operação

Dentre os profetas menores do velho testamento, Naum vem depois de Miquéias. Assim, o nome da operação foi escolhido para lembrar a relação de sucessão entre as duas investigações.

Foto: Lia Mara
Carros da PF na sede do Igeprev.

Com informações – CT

Comentários pelo Facebook: