Seet
Sobral – 300×100

PF prende suspeitos de sequestrar ex-tesoureiro do Banco da Amazônia

Redação AF - |
Foto: Araguaína Notícias
Homens foram presos durante a Operação Cinderella, em Araguaína.

A Polícia Federal prendeu na manhã desta quinta-feira (3) quatro suspeitos de integrar uma organização criminosa que atuava em Araguaína (TO) e no Estado de Goiás, durante a Operação Cinderella. Uma quinta prisão aconteceu em Anapólis (GO).

Segundo a PF, eles são suspeitos de sequestrar o ex-tesoureiro do Banco da Amazônia em Araguaína em agosto deste ano. Na época, os criminosos amarram explosivos no corpo do ex-funcionário e o obrigaram a ir até a agência. Já a família era mantida refém. Entretanto, o resgate não chegou a ser pago e a PF começou a investigar a movimentação dos criminosos.

Segundo a investigação, a organização criminosa também é responsável pelo sequestro do  gerente do Bradesco de Anapólis, ocorrido em setembro deste ano. Nos dois casos, a PF descobriu que os criminosos fizeram um levantamento prévio e ‘minucioso’ da rotina das vítimas.

Os presos em Araguaína foram identificados como  Warlley Araujo Sousa (23  anos), Luã Duarte da Silva (20 anos), Joilson Marcos Oliveira, vulgo “Marquim” (28 anos) e Felipe André Teixeira de Jesus, 35 anos.

Já outro araguainense apontado pela PF como  integrante da organização criminosa é Eduardo Rodrigues da Silva, vulgo Dudu, (29). Este chegou a ser preso no Estado de Goiás, mas conseguiu fugir da prisão e se encontra foragido.

De acordo com as investigações, além de sequestro, eles atuavam com tráfico de droga em Araguaína.  Com eles a PF apreendeu pequena quantidade de maconha, um revólver e outra arma, além de munições.  A organização criminosa que atuava em Araguaína tinha ramificações em Goiás e foram identificados pelo menos 14 integrantes. Os presos em Araguaína ficarão recolhidos na CPPA.

As informações são do site Araguaína Notícias.

Veja mais…

Polícia Federal deflagra operação em Araguaína para prender assaltantes de bancos e traficantes de drogas

Comentários pelo Facebook: