Polícia Civil prende médico acusado de matar ex-mulher no Tocantins

Agnaldo Araujo - | - 838 views
Foto: Divulgação
Médico negou autoria de crime contra a ex-mulher

O médico Álvaro Ferreira Silva foi preso na noite desta quinta-feira (11), em Anápolis (GO). Ele é o principal suspeito de matar a ex-mulher, Danielle Christina, no dia 18 de dezembro de 2017, em Palmas.

O médico já havia sido preso por agredir a ex-mulher dois dias antes de Danielle Christina ser encontrada morta na casa dela. Álvaro Ferreira era considerado foragido desde o dia da morte da ex-mulher.

A prisão foi realizada por uma equipe da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), comandada pelo delegado Pedro Ivo Costa Miranda e contou com a parceira de polícias civis de Goiás e São Paulo.

Em entrevista exclusiva ao AF Notícias um dia após sua ex-mulher ser encontrada morta, o médico afirmou que estava com a ‘consciência tranquila’.

“A questão é só uma: não fui eu quem fez essa crueldade com ela, estou com a consciência tranquila. Estou como suspeito porque fui enganado de que não havia mais medida protetiva. Logo ficará comprovada a minha inocência”, declarou na época.

ENTENDA

A professora Danielle Christina Lustosa Grohs foi encontrada morta na casa dela, na quadra 1.004 Sul em Palmas, na noite do dia 18 de dezembro de 2017. O principal suspeito do crime, de acordo com a Polícia Militar, é o ex-marido da pedagoga, o médico Álvaro Ferreira da Silva. Ele tinha sido preso por agredir Danielle no dia 16 de dezembro e foi solto após audiência de custódia no dia seguinte.

De acordo com o advogado dela, Edson Monteiro de Oliveira Neto, o ex-marido já havia ameaçado matá-la outras vezes. O advogado informou que chamou a polícia após não conseguir contato com ela durante todo o dia.

Danielle e Álvaro viveram juntos durante quase 20 anos, entre 1997 e 2016. O processo de separação não foi amigável. Ele teria inclusive retirado veículos que pertenciam a Danielle da casa dela e pedido que a água do imóvel fosse desligada. No dia 16 de dezembro, ele invadiu a casa e tentou esganar a ex-mulher, quando foi preso.

Nascida em Rio Negro, no Paraná, a professora trabalhava na rede municipal de ensino de Palmas. Ela atuava na sala de aula desde 2005 e já foi professora na Escola Municipal Paulo Leivas Macalão e na Escola de Tempo Integral (ETI) Professora Sueli Reche.

VEJA MAIS

‘Estou com a consciência tranquila’, afirma médico ao negar morte da ex-mulher

Comentários pelo Facebook: