Seet
Sobral – 300×100

Polícia Civil prende quatro e apreende mais de 230 pedras de crack, maconha e cocaína

Agnaldo Araujo -
Foto: Divulgação/SSP
Acusado preso durante a operação da Polícia Civil

A Polícia Civil do Tocantins deflagrou, na manhã desta quinta-feira (22/09), uma operação policial em Augustinópolis, extremo norte do Estado, a qual resultou na apreensão de mais de 230 pedras de crack, porções de maconha, balança de precisão, cocaína, além da prisão em flagrante por tráfico de drogas de quatro pessoas.

A operação, em continuidade às ações de combate e repressão à criminalidade, ocorreu por intermédio da 10ª Delegacia Regional de Araguatins e foi comandada pelo delegado regional Eduardo Morais Artiaga e pelo delegado de Augustinópolis, Alicindo Augusto de Souza.

Durante a operação, foram presos Artenys Ferreira Aguiar, de 27 anos, Maria Aparecida Pessoa Lima, de 30 anos, Ana Claudia Teixeira Lima, de 36 anos e Rayra Tayllana de Sá Silva, de 23 anos. Conforme o delegado Artiaga, a operação foi deflagrada, após a Polícia Civil receber várias denúncias informando que os quatro suspeitos estariam envolvidos com o tráfico de drogas na cidade e que, nesta quinta-feira, receberiam uma quantidade considerável de entorpecente.

Com base nas informações recebidas, os agentes intensificaram as investigações e, após várias horas de monitoramento, deslocaram-se até a residência de Ana Cláudia, a qual fica localizada no bairro Santa Rita, onde flagraram Ana e os outros três suspeitos, embalando o entorpecente. Em seguida, os policiais foram até o bar, o qual Rayra, gerencia, onde a mesma entregou aos agentes outras porções de drogas.

Diante das evidências, Artenys, Maria Aparecida, Ana Cláudia e Rayra foram presas e conduzidas a Central de Flagrantes de Augustinópolis, onde foram autuados pela prática dos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico. Após os procedimentos que a lei determina, todos foram recolhidos à carceragem da Cadeia Pública daquele município, onde permanecerão à disposição do Poder Judiciário.

Comentários pelo Facebook: