Polícia Federal cumpre mandados em Palmas contra esquema das ‘pontes de papel’

Redação AF -
Foto: Divulgação
Polícia Federal

A Polícia Federal está cumprindo mandados de condução coercitiva em Palmas nesta terça-feira (6) como objetivo esclarecer o esquema das chamadas “pontes de papel”, obras que nunca foram construídas ou foram superfaturadas.

A operação foi autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), onde os governadores dos Estados são julgados. O atual governador Marcelo Miranda (MDB) e o ex-governador Siqueira Campos (DEM) são alvos.

No ano passado, o Tribunal de Contas da União apontou que o superfaturamento em obras de pontes e rodovias do Tocantins provocou um prejuízo de R$ 38 milhões aos cofres públicos. O sobrepreço verificado oscila de 29,75% a até 35,15%. As obras foram custeadas com recursos federais que ultrapassam a quantia de R$ 262 milhões.

Em 2016, o Ministério Público Estadual propôs várias ações de ressarcimento de danos ao erário, apontando irregularidades nas pontes sobre o Rio da Prata (Marianópolis), Rio João Aires (Palmeirante), Rio Chato (Araguaçu), Rio Corda (Riachinho/Wanderlândia), Rio Balsas Mineiro (Ponta Alta/Pindorama), Rio Garrafa (Goianorte), Rio Mangues, Rio São José (Paraíso do Tocantins), Rio Pau Seco (Colinas) e Córrego Brejo Grande (Lagoa do Tocantins).

Entre as irregularidades averiguadas durante inquérito civil está o superfaturamento de preços, pagamentos de duplicidade do canteiro de obras, fraudes nas medições, superdimensionamento de obras e pagamentos em dólar americano.

VEJA MAIS…

Operação ‘Pontes de Papel’ investiga organização que teria desviado R$ 420 milhões do Governo do Tocantins

Comentários pelo Facebook: