Sobral – 300×100
Seet

Policiais militares que atiraram em delegado ganham liberdade após 17 dias na prisão

Redação - |
Foto: Divulgação
Militares durante a abordagem ao Delegado Marivan

A Justiça do Estado do Tocantins acatou nesta terça-feira (14) o pedido de habeas corpus aos quatros militares que atiraram no delegado da cidade de Colméia (TO), Marivan da Silva Sousa, após confundi-lo com assaltante. O caso aconteceu no centro da cidade de Guaraí, no dia 28 de outubro.

Na decisão, a juíza Célia Regina Regis alegou que não há dados concretos para justificar as prisões preventivas dos policiais e que a soltura não representa risco à instrução penal e nem pode interferir na coleta de provas ou depoimento das testemunhas.

A decisão ainda alega que existem dúvidas sobre elemento subjetivo do crime, ou seja, a vontade dos policiais em cometer um homicídio. E que por ser um caso que envolve policiais militares e civil o processo de apuração do crime deve ser tramitado na justiça comum e não na justiça militar.

RELEMBRE 

O crime aconteceu enquanto os militares procuravam os suspeitos que assaltaram um carro-forte na BR 153, trecho entre Guaraí e Presidente Kennedy. Os policiais relataram que as informações descreviam um veículo suspeito, semelhante ao conduzido pelo delegado. Marivan da Silva foi alvejado por três tiros e perdeu parte da orelha.

LEIA TAMBÉM…

Justiça decreta prisão dos quatro militares que atiraram em delegado de Polícia Civil

Delegado da Polícia Civil é alvejado a tiros por PMs que investigam roubo a carro-forte

Comentários pelo Facebook: