Sobral – 300×100
Seet

Professor universitário mais jovem do Brasil em 2016 tem mestrado e doutorado na UFT de Araguaína

Agnaldo Araujo -
Foto: Divulgação
Bruno estudou na UFT de Araguaína

O paraense Bruno Gomes Pereira recebeu recentemente o título de professor universitário mais jovem do Brasil em 2016 pelo site Rank Brasil. Bruno foi aprovado em primeiro lugar nos cursos de mestrado e doutorado do Programa de Pós-Graduação em Letras: Ensino de Língua e Literaturada Universidade Federal do Tocantins (UFT), campus de Araguaína.

“Tenho um carinho muito grande pela UFT. É um peso grande no curriculum, devo muito pelo meu crescimento profissional” destacou Bruno. Ele se tornou professor substituto na UFT em 2013.

Carreira

Nascido em 29 de julho de 1988, Bruno Gomes começou a lecionar na Universidade do Estado do Pará (UEPA) em fevereiro de 2012, aos 23 anos e sete meses.

Na ocasião foi contratado como professor de Linguística, já sendo graduado em Língua Portuguesa e especialista em Linguística Aplicada. Natural de Rondon do Pará, concluiu o curso universitário aos 22 anos pela UEPA, no município de Conceição do Araguaia. Na sequência realizou especialização pela Faculdade Antônio Propício de Aguiar Franco, em Tocantins.

Precoce, também fez mestrado e doutorado mais rápido que o normal, ambos em Ensino de Língua e Literatura, com ênfase em Estudos Linguísticos, pela UFT. Ele obteve o título de mestre em um ano e dois meses, e de doutor em um ano e três meses.

Bruno revela que sempre gostou de ensinar e desde o início trabalhou com Língua Portuguesa. Aos 15 anos já se sustentava, atuando como professor substituto no ensino fundamental I e II. “Tive o prazer de escolher minha profissão e não a profissão me escolher. Sou feliz com o que faço”, afirmou.

Dificuldades

Questionado sobre os desafios na área, o recordista aponta a dificuldade de ensinar uma língua que o aluno já aprendeu em casa ou em outros contextos sociais. “A palavra certa para isso não é ensino, mas reflexão sobre o uso contextual da Língua Portuguesa: é algo mais voltado para o letramento, porque todos, de alguma forma, já sabem seu próprio idioma”, disse.

Alegria

Para o professor, o recorde brasileiro significa uma alegria imensa, uma vez que representa o reconhecimento de uma vida de luta, mas cheia de vitórias. “Já ganhei alguns prêmios em nível municipal, mas é a primeira vez que recebo algo de âmbito nacional”, afirmou.

Incentivo

Ele acredita que isso pode servir como incentivo para essa geração que está vindo. “Fico ainda mais feliz em poder fazer uma pequena parte na história de nosso país, entendendo que a educação é sempre o melhor caminho”, enfatizou.

Atualmente Bruno reside em Araguaína (TO), onde trabalhou como docente da UFT. “Estou voltando à minha instituição de origem, a UEPA, que tanto amo”, contou. Na universidade, o paraense deve lecionar Leitura e Produção Textual, Linguística Aplicada, Linguística Textual e Estágio Supervisionado em Língua Materna.

Comentários pelo Facebook: