Sobral – 300×100
Seet

Quadrilha é presa com ferramentas para explodir bancos no Tocantins e MA

Redação AF - | - 613 views
Foto: Divulgação
Quatro homens são presos acusados de praticarem assaltos a bancos no Tocantins e Maranhão

Uma operação conjunta entre a Polícia Rodoviária Federal (PRF-TO) e a Polícia Civil do Estado do Maranhão, com apoio da Polícia Militar do Tocantins, resultou na prisão quatro homens suspeitos de integrarem uma associação criminosa que praticava assaltos a bancos nos dois Estados.

Diego Nascimento, Ernesto Ribeiro, Edson Albino da Silva e Rubervani Dias da Silva foram presos em Palmeiras do Tocantins, região norte.

Segundo a Polícia Rodoviária, por volta das 11 horas da última quarta-feira (27), a inteligência da PRF de Imperatriz tomou conhecimento de que três suspeitos foram abordados em Paraíso do Tocantins e após checados seus antecedentes, constatou-se que dois tinham passagem por assaltos a banco. Foi constatado ainda que um deles já havia sido preso em Açailândia (MA) com equipamentos usados para arrombamento de cofres bancários.

Os suspeitos então disseram que estavam indo para Araguaína (TO) comprar uma caminhonete. Os homens foram liberados e seguiram rumo ao norte do Estado, tendo o Maranhão como possível rota de viagem.

De acordo com a PRF, já no início da manhã desta quinta-feira (28), os quatro suspeitos conseguiram fugir do cerco da Polícia Civil do Estado do Maranhão montado na residência de um deles para o cumprimento de mandado de prisão, na cidade de Imperatriz.

No local foram encontradas ferramentas que seriam utilizadas para arrombamento e explosão de caixas eletrônicos na região, além de uma arma de fogo.

A partir de então, a PRF de Imperatriz acionou os Estados de Goiás e Tocantins informando que eles não haviam sido presos e que, provavelmente, retornariam para Santa Catarina, Estado de origem, mas os acusados foram abordados e presos em Palmeiras do Tocantins pela PRF. Todos foram encaminhados para a cidade de Imperatriz (MA).

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Comentários pelo Facebook: