Seet
Sobral – 300×100

Representantes da Polícia Civil se reúnem com governo para cobrar cumprimento de acordos

Agnaldo Araujo -
Foto: Aspol/Ascom
Presentes na reunião realizada na última segunda, 14

Foi realizada na última segunda feira (14/03), uma reunião entre representantes de associações da Polícia Civil e o Secretário Estadual da Fazenda, Edson Ronaldo. As entidades buscavam informações do setor financeiro do Governo acerca das implementações de compromissos firmados com a categoria, que culminou com o fim da greve da Polícia Civil, em abril de 2015.

Entre os assuntos tratados estiveram os retroativos da turma de 2003 e data base 2015, ambos atrasados desde janeiro de 2016. Também foi discutida a implementação das progressões verticais, das turmas de 2004 e 2007 e seus respectivos retroativos.

Segundo a assessoria de comunicação da Associação dos Policiais Civis do Estado do Tocantins (Aspol), o secretário informou que já estão sendo analisados todos estes valores juntamente com o Secretário de Administração, Geferson Barros.

“Principal ponto”

O ponto principal da reunião, exposto ao Secretário, foi referente à suspensão dos efeitos financeiros da Lei 2.851/14 (Paridade da Polícia Civil). “O Secretário disse que reconhece os direitos conquistados pela Lei, no entanto, afirmou que a atual situação do governo não é propícia para a implementação total deste direito. Edson Ronaldo se colocou à disposição de iniciar as tratativas acerca do assunto”, comentou.

Ainda foi questionado ao Secretário sobre o pagamento retido pelo Governo do Estado e não repassado às entidades de classe, instituições bancárias, saúde e previdenciárias. O gestor informou que os valores já somam cerca de R$ 225 milhões e que este débito está em negociação para pagamento de uma parte do montante ainda no mês de março, e o restante para junho.

Presentes 

Participaram da reunião a Associação dos Policiais Civis (Aspol), Associação dos Escrivães (Aepto), Associações dos Agentes Penitenciários (Agepen), Associação dos Agentes de Polícia (Agepol) e Associação dos Papiloscopistas ( Aspa).

Comentários pelo Facebook: