SEET denuncia sobrecarga de trabalho da enfermagem e cobra fiscalização do Coren

Redação AF - |
Foto: Divulgação
Conselho Regional de Enfermagem do Tocantins

A sobrecarga de trabalho dos profissionais de enfermagens nos hospitais públicos de Palmas foi denunciada pelo sindicato da categoria ao Conselho Regional de Enfermagem do Estado do Tocantins (Coren) para que tome as devidas providências. Um ofício foi encaminhado ao órgão, na terça-feira (23), pelo presidente do SEET – Sindicato dos Profissionais da Enfermagem no Estado do Tocantins.

Foram apontadas irregularidades no HGPP – Hospital Geral Público de Palmas, HIPP – Hospital Infantil Público de Palmas e no Hospital e Maternidade Dona Regina.

O documento esclarece ao conselho a atual situação dos profissionais com a falta de dimensionamento nestes hospitais, que ocasiona sobrecarga aos servidores e prejudica a qualidade do atendimento à população. No HGPP houve aumento expressivo na quantidade de leitos sem ampliação do número de profissionais, que estão atendendo em média até 25 pacientes, ultrapassando o limite diário de atendimento.

Esta situação assemelha-se ao do Hospital Infantil, que conta com muitos leitos, mas não tem profissionais suficiente para atender à demanda. Conforme o Sindicato, diversos profissionais que se encontram afastados por razões de interesse particular e/ou afastamento de saúde, são incluídos nas escalas de trabalho sem comparecer para os plantões.

Já no Hospital e Maternidade Dona Regina, o oficio alerta para uma futura diminuição do quadro de servidores que laboram na RPA – Recuperação Pós-Anestésico, aumentando a sobre carga de trabalho para este setor.

O sindicato solicitou ao Coren uma fiscalização aos hospitais, a fim de confirmar tais denúncias apresentadas, assim tomar as providencias cabíveis para sanar os problemas.

Claudean Pereira Lima, presidente do SEET, ressalta que o papel do Sindicato é justamente este “cobrar dos órgãos competentes e gestores a solução dos problemas encontrados em relação ao exercício da categoria”.

Comentários pelo Facebook: