Seet
Sobral – 300×100

Sindicatos exigem 6,5% de data-base aos servidores estaduais, mesmo índice pago ao TCE, DPE, AL e TJ

Redação AF - | - 625 views
Foto: Divulgação
Governador do Tocantins Marcelo Miranda

O Governo do Estado propôs uma correção salarial aos servidores públicos no índice de 3,9% a ser aplicado a partir de janeiro de 2018, mas as entidades sindicais que representam as categorias afirmaram que “discordam frontalmente” do índice proposto, segundo a Federação dos Sindicatos dos Servidores Públicos do Tocantins. Os líderes sindicais exigem que seja aplicado o mesmo índice dos demais poderes – 6,5% – e de imediato.

Para a Federação, com a proposta de 3,9%, o Estado volta a desvalorizar a sua força do trabalho e, ainda, cria disparidade entre as categorias de servidores públicos do Tocantins, pois TCE (Tribunal de Contas do Estado), Assembleia Legislativa, Defensoria Pública e Poder Judiciário concederam o percentual de 6,5% aos seus funcionários.

“A Fesserto enaltece e reconhece a decisão acertada dos representantes desses poderes e instituições, que bem souberam valorizar seus servidores concedendo aos mesmos ganho real, como também, parabeniza os servidores desses poderes visto que, a Federação representa todos os servidores públicos do Tocantins”, destaca o presidente da Federação, Carlos Augusto Melo de Oliveira (Carlão).

A Federação lembra que, diante da crise econômica e do índice maior em 2016, os servidores estaduais aceitaram acordo com o governo do Estado para parcelar a data-base daquele ano. Agora, com o percentual baixo, a Federação reivindica que o governo retribua o “bom senso do funcionalismo público” na última data-base.

“Quando necessário, nós ajudamos o governo. Agora, é a hora de o governo promover uma política linear de ajuste salarial, sem descriminar quem trabalha no Executivo”, frisa Carlão.

Contestaram a proposta do Governo os seguintes sindicatos: SINFINTO (Sindica dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais do Estado do Tocantins), SEET (Sindicato dos Profissionais em Enfermagem do Estado do Tocantins), SINDIFISCAL (Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual), SINDJOR (Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Tocantins), SINDAGRO (Sindicato dos Profissionais da Defesa Agropecuária), ASMIR (Associação dos Militares da Reserva, Reformados, da Ativa e seus Pensionistas do Estado do Tocantins), AOMETO (Associação dos Oficiais Militares do Estado do Tocantins) e APRA (Associação dos Sargentos e Subtenentes da Policia Militar do Tocantins).

Comentários pelo Facebook: