Seet
Sobral – 300×100

Sisepe solicita prorrogação da jornada de 6h aos servidores e argumenta redução de gastos

Redação AF - |
Foto: Divulgação
Ofício foi protocolado no gabinete do governador Marcelo Miranda.

O Governo do Estado pegou sindicatos e servidores de surpresa ao anunciar o fim da jornada de trabalho de seis horas diárias, a partir do dia 1º de agosto. Nesta sexta-feira (23), o Sindicato dos Servidores Públicos (Sisepe) já protocolou ofício no gabinete do governador Marcelo Miranda cobrando a manutenção da jornada em todos os órgãos e entidades da Administração Pública Direta e Indireta do Poder Executivo Estadual, exceto os casos que trabalham em regime de plantão e escala.

O fim do prazo da jornada reduzida seria no dia 31 de agosto, conforme o Decreto nº 5.626 de 28 de abril de 2017, mas foi antecipado para o dia 1º de agosto.

Para o Sindicato não há necessidade de se retomar a jornada de 8 horas para manter os órgãos públicos funcionando após a saída dos servidores contratados que serão dispensados como forma de contenção de gastos.

“O Estado tem servidores efetivos suficientes para continuar mantendo o funcionamento da administração pública sem necessidade de retornar às 40 horas semanais. Basta que o governo faça uma redistribuição, realocando servidores de órgãos que estão inchados para outros onde poderá haver necessidade de mão de obra, além de trazer de volta servidores cedidos para outros órgãos e poderes”, disse o presidente Cleiton Pinheiro.

O Sindicato também alerta que a volta da jornada de 8 horas será um retrocesso para a administração pública, causando transtornos para os servidores e impactando o Estado financeiramente, já que a rotina de 6 horas diárias gera economia com a redução de gastos com luz, água, combustíveis e material de expediente.

“Manter a rotina das 6 horas não vai causar qualquer prejuízo à produtividade ou atendimento aos usuários dos serviços públicos. Os servidores do Estado têm mantido a qualidade e eficiência no trabalho desde que o decreto está em vigor. Portanto é preciso prorrogar o prazo”, finalizou Pinheiro.

Veja mais…

Tocantins entra em colapso e Governo anuncia medidas: fim da jornada de 6h e suspensão da data-base

Comentários pelo Facebook: