Tocantinense que faz histórias em quadrinhos apresenta obras no Rio de Janeiro

Agnaldo Araujo -
Foto: Elias Oliveira
A apresentação vai ser no Rio de Janeiro

O quadrinista e servidor da rede estadual de educação, Geuvar Oliveira, apresenta sua obra no Estado do Rio de Janeiro, de 8 a 10 de maio, por meio do projeto literário nacional do Serviço Social do Comércio (Sesc), Arte da Palavra. A iniciativa promove o intercâmbio de artistas e a formação de leitores em 12 estados do país.

No dia 8, Geuvar apresenta seus livros a estudantes do ensino médio da capital carioca. No dia 10, o encontro ocorre em Paraty, com representantes da diversidade literária brasileira. “Estou muito feliz em poder levar, para outras regiões do país os quadrinhos produzidos no Tocantins, apresentando também diversos aspectos do nosso Estado, que é o pano de fundo das histórias”, frisou o artista.

A obra mais conhecida de Geuvar é Mugambi. A revista em quadrinhos, que está em sua segunda edição, é uma história de ficção científica e terror. O enredo acontece na Ilha do Bananal e em Palmas, e conta a trajetória de um jovem mandado do futuro em missão para buscar a cura para um vírus que iria dizimar a população. Ao chegar, o personagem principal e seus guardiões travam uma batalha contra um animal mutante que está dominando e destruindo os lugares por onde passa.

Regionalismo

As inspirações tocantinenses estão presentes desde a primeira história em quadrinhos (HQ) de Geuvar, lançada em 1997, quando ele chegou ao Tocantins. Intitulada Gira, a revista foi baseada na quantidade de girassóis que havia na cidade na época.

A Liga do Cerrado teve quatro edições publicadas. A liga é formada pelos super-heróis Homem Suvaco, Maria Paulada, Jeitosa, Homem Pochete, Homem Pichilinga, Senhor Gambiarra e Caryocal. As aventuras acontecem na cidade de Pequinópolis, inspirada na capital do Tocantins.

Geuvar também é autor da HQ Viagem ao Centro da Gramática. Ele integra o coletivo de cartunistas e ilustradores Os Cabrones, além de participar do fanzine Nonada.

O quadrinista tem 48 anos e é natural do Maranhão. Ele é graduado em Letras pelo Centro Universitário Luterano do Brasil (Ceulp/Ulbra) e em Teatro pela Universidade Federal do Tocantins (UFT).

(Núbia Daiana Mota/Governo do Tocantins)

Comentários pelo Facebook: