Jovem universitária morre no Hospital Regional de Araguaína e família suspeita de erro médico

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
A jovem morreu na madrugada de terça, 13

Agnaldo Araujo//AF Notícias

A jovem Fernanda Carvalho Aquino Mota, de 20 anos de idade, morreu no Hospital Regional de Araguaína, na madrugada desta terça-feira (13/12), por suposta negligência no atendimento e o caso gerou revolta nos familiares. A jovem estava no 2º período do curso de Educação Física.

De acordo com o pai da universitária, Werlene Aquino Cordeiro Mota, ela procurou a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) ainda no sábado (10/12) com fortes dores no abdômen. Na unidade, após longa espera, Fernanda foi receitada apenas para tomar dipirona e recomendado que retornasse para sua residência. “Passaram sem receita, sem nada”, disse seu pai.

Mas no mesmo dia, a dor do abdômen de Fernanda aumentou e ela retornou para a UPA, quando foi internada. No entanto, nenhum acompanhante foi permitido ficar com a paciente. “Nem no banheiro não tinha ninguém para levar ela. Disseram que não podia ficar ninguém acompanhando ela, só se fosse menor de idade ou idosa”, contou seu pai.

Werlene Aquino disse ainda que falava com ela por telefone e segundo ele, Fernanda dizia que sentia muita dor. Ela também pedia para tomar água.

Diante da situação e já no domingo (11/12), o pai da jovem quis transferi-la para a maternidade, mas uma enfermeira teria afirmado que já tinha um encaminhamento da paciente para o Hospital Regional de Araguaína. A transferência era para ser feita na noite do domingo, mas não ocorreu.

A jovem só foi transferida para o Hospital Regional na segunda-feira (12/12). ”Eu digo que eles esqueceram ela. Fizeram descaso. Ela ficou largada lá. No regional tinha vaga”, desabafou seu pai.

Já no HRA, a jovem fez exames de sangue e de urina, mas de acordo com seu pai, os resultados não foram informados para a família. “Os exames não acusaram nada, se tiveram, eles não disseram para mim”, afirmou. Seu pai contou ainda que quando chegaram ao HRA, eles ficaram no corredor do hospital. “Não tinha maca, leito, nem nada e ela sentindo muita dor”, disse.

Ainda na segunda, a jovem foi encaminhada para a sala de cirurgia. Segundo seu pai, ela entrou caminhando na sala. Mas durante a madruga, Fernanda morreu após o procedimento cirúrgico.

De acordo com uma prima de Fernanda, a médica que fez a cirurgia na jovem saiu logo após o procedimento e deixou a paciente aos cuidados de um anestesista. A família teria pedido para conversar com a médica para ter informações sobre o estado de saúde de Fernanda, mas ela já não foi encontrada.

Comentários pelo Facebook: