Direto ao Ponto

Arnaldo Filho

redacao@afnoticias.com.br

Reflexão

Pronunciamento de Bolsonaro dividiu o Brasil, de uma vez por todas: mas quem tem razão?

Todos nós vamos pagar o preço e, por isso, não podemos cair na cegueira política.

Por Redação 925
Comentários (0)

25/03/2020 16h30 - Atualizado há 2 meses
Presidente Bolsonaro fez um pronunciamento em rede nacional nesta terça-feira (24)

O pós-discurso do presidente da República Jair Bolsonaro mediu a divisão de forças e opiniões existentes no país. Seu pronunciamento se propagou mais rápido que o próprio coronavírus. A população, no meio de tudo, já não sabe o que fazer ou a quem obedecer.

Afinal, vou com o presidente, com o governador do meu Estado ou com o prefeito da minha cidade?  

Quem tem razão?

O presidente Bolsonaro tem uma certa razão e coerência ao se preocupar com o caos econômico que se aproxima, no entanto, peca quando "chuta o balde" no que concerne às prevenções e, sobretudo, quando menospreza o vírus que está ceifando milhares de vidas.

Já os governadores acertam quando incentivam o isolamento social, mas se equivocam quando fecham completamente as divisas dos estados, impedindo a passagem, até mesmo, de remédios e equipamentos médicos; os prefeitos também fazem o que podem!

Entre a cruz e a espada

Mas e a população, a grande massa? Dividida ao extremo. Os servidores públicos sabem que, mesmo em quarentena, terão seus salários no fim do mês, garantidos pelos cofres públicos.

Mas, e aquelas pessoas que vivem do comércio de bens ou serviços ou na informalidade, como milhões de brasileiros? Sob o risco da demissão ou falta do mínimo para sobreviver, se assustam e ficam 'entre a cruz e a espada'. 

Caso não haja isolamento, muitos sucumbirão. Todavia, o que dizer do período pós-quarentena, quando outros poderão morrer em condições miseráveis, por fome ou por outras doenças, depressão, suicídio, etc.?

O que dizer do aumento da criminalidade, que assustará a todos sem distinção, quando o ápice da recessão chegar?

Definitivamente, não é fácil se posicionar, visto que em ambas as pontas há argumentos positivos e, também, negativos. 

Enquanto seres políticos que somos – mesmo sem querer – temos a tendência de tomar partido, ficando do lado 'A', 'B' ou numa terceira via. Aplaudimos algumas ideias e vaiamos outras. Porém, independentemente da posição que adotarmos neste momento ou daquela que nos for mais conveniente – a bomba vai estourar nas nossas próprias mãos. Todos nós vamos pagar o preço e, por isso, não podemos cair na cegueira política.

Acordo e bom senso, o melhor remédio

Não sejamos ingênuos: em pouco tempo, até mesmo os serviços essenciais – definidos pelos decretos – não terão condições de continuar sem os produtos e mão-de-obra, considerados pelo mesmo decreto, "não essencial". O que fazer?

Tudo isso acaba por gerar um dilema interminável. Por isso, ou se estabelece um consenso ou vamos todos, do mendigo ao presidente, sucumbir.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.