'Piratas do Caribe'

PF mira grupo que aliciava tocantinenses para entrada ilegal nos Estados Unidos

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

19/07/2018 10h50 - Atualizado há 2 meses
A Polícia Federal desarticulou o ramo internacional de uma organização criminosa composta por 'coiotes' responsáveis por promover a entrada ilegal de brasileiros nos Estados Unidos. A PF estima que o grupo movimentou mais de R$ 25 milhões nos últimos anos e enviava uma média anual de 150 adultos e 30 crianças aos EUA. Segundo revelou o jornal Folha de São Paulo, o grupo aliciava os brasileiros de diversos Estados, incluindo Minas Gerias, Rondônia, Tocantins e Goiás. Ainda segundo o jornal, as famílias que procuravam entrar nos Estados Unidos tinham que pagar de R$ 40 mil a R$ 100 mil por brasileiro ao grupo criminoso. No curso da investigação da PF, ainda foi constatado que diversos brasileiros transportados pelo grupo acabaram morrendo enquanto tentavam a travessia, inclusive com suspeita de homicídios. A ação da PF de Rondônia ocorreu nessa quarta-feira (18), contou com o apoio de sua representação na Interpol, e é a 3ª Fase da ‘Operação Piratas do Caribe’. Também possui a Cooperação Jurídica das Bahamas e dos Estados Unidos, contando com o apoio da ICE – U.S. Immigration and Customs Enforcement. Duas pessoas foram presas e três buscas foram realizadas no Brasil e no exterior. A operação também visa prender um dos maiores responsáveis pelo envio ilegal de crianças e adolescentes aos Estados Unidos na prática do esquema criminoso denominado “Cai Cai”. O esquema consiste em promover o ingresso de adultos ilegalmente nos Estados Unidos, acompanhados de crianças ou adolescentes, para que assim não sejam imediatamente deportados. A Operação Piratas do Caribe As investigações começaram a partir da notícia do desaparecimento de um brasileiro que teria tentado entrar ilegalmente nos Estados Unidos, com auxílio de “coiotes”, que intermediavam o transporte ilegal via Bahamas. Antes de sair do Brasil, os imigrantes ficavam em algumas cidades com aeroportos internacionais de fácil acesso, aguardando a ordem de embarque para as Bahamas, que ocorria quando um determinado agente de imigração daquele país facilitava a entrada dos brasileiros. Uma vez nas Bahamas, os imigrantes aguardavam por vários dias para tentar fazer a travessia de barco e, assim, ingressarem clandestinamente nos Estados Unidos. Além de todos os conhecidos riscos que envolvem a imigração ilegal para outros países, os “coiotes” escondiam os reais perigos envolvidos na travessia, como a passagem pela região do Triângulo da Bermudas, famosa pelo alto índice de tempestades, naufrágios e desaparecimento de embarcações e aeronaves.

Comentários (0)

Mais Notícias

Aragominas

Jovem que degolou homem bêbado causava pânico no norte do Estado, diz polícia

A vítima foi assassinada na segunda-feira (12) após passar o final de semana ingerindo bebida alcoólica.

Prisão

Sedutoras, mulheres pediam carona para roubar caminhoneiros no norte do Estado

As mulheres já são conhecidas pela prática criminosa e usam todas as artimanhas.

Araguaína

Homem é preso duas vezes tentando furtar o mesmo supermercado em Araguaína

Dois comparsas também foram presos em flagrante dando cobertura para o furto.

Aragominas

Homem é preso suspeito de aterrorizar e tentar estuprar mulheres no meio da rua

O suspeito disse à polícia que 'galanteava' as mulheres só quando estava bêbado.

Ressocialização

Detentos aprendem a fazer blocos de concreto na própria prisão e reduzem pena

Os artefatos, inicialmente, serão utilizados na melhoria da estrutura da unidade.

Em 2017

Homem é preso suspeito de matar o avô da esposa a pauladas após discussão

O crime teria sido motivado em razão de supostos maus-tratos que a bisneta estaria sofrendo.

Barra da Grota

Seciju tenta identificar celular utilizado para filmar homenagem a bandido morto

O vídeo mostra vários supostos integrantes do PCC reunidos no Presídio Barra da Grota em homenagem ao criminoso.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.