Pedro Afonso

Trio que matou homem apedrejado por suspeitar que tivesse furtado capacete é condenado à prisão

O Tribunal do Júri teve início ao meio-dia da terça-feira e se estendeu pela madrugada de quarta-feira.

Por Redação 659
Comentários (0)

05/12/2019 14h14 - Atualizado há 7 meses
O caso foi em Pedro Afonso

Os réus Grazeane dos Santos, José Augusto Neponuceno Pereira e César Xavier Tranqueira foram condenados, nesta quarta-feira (04), pelo assassinato de Amilton Alves de Souza, crime ocorrido em outubro de 2018 no município de Pedro Afonso.

O júri popular teve início ao meio-dia de terça-feira (3) e se estendeu pela madrugada de quarta-feira (4). Os jurados acataram as alegações do Ministério Público do Tocantins (MPTO) e entenderam a responsabilidade dos réus no homicídio.

Os promotores de Justiça Janete Intigar e Breno de Oliveira Simonassi, responsáveis pelo caso, contam que no dia 15 de outubro de 2018, Grazeane, após suspeitar que Amilton teria furtado um capacete, iniciou uma discussão com a vítima em um bar localizado no setor Aeroporto, em Pedro Afonso. Após o desentendimento, ele teria convencido José Augusto e César Xavier para que eles participassem do crime.

Os três denunciados, então, simularam uma briga no local. Durante a confusão, começaram a agredir Amilton fisicamente com socos, chutes e pontapés. César, então, atingiu a vítima com uma pedra no rosto, ao passo que Grazeane, munido de uma faca, pulou em cima da vítima e desferiu contra ela dois golpes, um na região das costas e outro no abdômen, o que dificultou a defesa de Amilton, levando-o a óbito.

Após a condenação por parte dos jurados, o juiz determinou uma pena de 14 anos de prisão para Grazeane dos Santos, em regime inicialmente fechado. A pena foi aumentada em dois anos em função de ter ocorrido por motivo fútil (desentendimento por conta do capacete) e pelo fato de ter se utilizado de recurso que dificultou a defesa da vítima.

César Xavier Tranqueira recebeu uma pena de 10 anos prisão pela participação no crime. O magistrado concedeu ao réu o direito de recorrer em liberdade.

José Augusto Neponuceno, que já se encontra preso há um ano e um mês, recebeu uma pena de dois meses e quinze dias de reclusão e foi posto em liberdade após o julgamento. Os jurados entenderam que ele teve menor participação no ocorrido, sendo enquadrado no crime de lesão corporal.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.