Temporal

Chuva de granizo é registrada pela segunda vez em menos de 30 dias em Palmas; vídeo

O fenômeno foi registrado com bom humor por moradores da capital.

Por Conteúdo AF Notícias 519
Comentários (0)

16/10/2021 08h00 - Atualizado há 1 mês
A chuva que caiu na tarde desta sexta-feira causou alguns pontos de alagamento na capital

A tarde desta sexta-feira (15), foi marcada por pancadas de chuvas e fortes ventos, acompanhadas de granizo em várias localidades de Palmas. Essa é segunda vez que a chuva vem acompanhada de granizo em menos de 30 dias. A primeira ocorrência de chuva com granizo foi registrada no dia 23 de setembro.

Conforme os dados do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), o final de semana terá 90 % de possibilidades de novas pancadas de chuva, que podem ser acompanhadas de rajadas de ventos e trovoadas. Já a umidade relativa do ar ficará entre 58% e 22%.

Internautas publicaram nas redes sociais vídeos da chuva que também deixou ruas e avenidas alagadas na capital tocantinense. Teve até morador que se divertiu durante a chuva, tentando apanhar uma pedra de gelo com a boca. 

A previsão para este sábado (16), é que os termômetros alcancem 34ºC de máxima e de mínima 24ºC, com até 90% de probabilidade de chuvas que podem registrar até 15mm. No domingo, 17, o clima permanece instável, ensolarado e com muitas nuvens isoladas ao longo do dia. Os termômetros fecharam o final de semana com 34ºC de máxima e de mínima 24ºC.

Vídeo

Como se forma a chuva de granizo?

As gotas de água que se evaporam dos rios, mares e da superfície terrestre, quando chegam às nuvens e encontram temperaturas abaixo de -80°C, viram gelo. Congelado, o vapor de água fica com mais peso do que a nuvem pode aguentar e cai, em forma de pedra de gelo, que chamamos de granizo.

A chuva de granizo, no entanto, não acontece nas regiões polares. O motivo? É que o granizo só se forma em um único tipo de nuvem, a cumulonimbus, também responsável por trovões e relâmpagos. Essa nuvem atinge até 25 km de altitude a partir da linha do Equador. "E ela só aparece nas regiões mais quentes", explica Mario Festa, professor de Meteorologia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da Universidade de São Paulo. Isso acontece porque ela se forma graças a temperaturas elevadas e alto índice de umidade relativa do ar, mais raro nos países frios.

A ocorrência do granizo, portanto, é mais frequente nas regiões equatoriais, e vai diminuindo gradativamente ao longo das regiões tropicais, extratropicais e temperadas.

"Por isso, em algumas épocas do ano é até possível ter chuva de granizo na Escandinávia, mas é raro. Já nos polos, realmente, nunca foi registrada", diz o professor.

A pedra de gelo tem, em média, 0,5 a 5 centímetros de diâmetro, mas isso pode variar. Nos Estados Unidos, na década de 1970, foi registrado um granizo com 14 centímetros de diâmetro, com 750 gramas.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.