Desaparecida há um ano

Dossiê sobre o caso Laura Vitória será apresentado à Corte Interamericana de Direitos Humanos

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

10/01/2017 10h14 - Atualizado há 3 anos
Um dossiê sobre o desaparecimento da menina Laura Vitória, em Palmas, bem como a demora para solucionar o caso, será apresentado à Corte Interamericana de Direitos Humanos, pelo Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedeca) Glória de Ivone. A menina desapareceu no Setor Lago Sul, em Palmas, no dia 09 de janeiro de 2016. Nessa segunda-feira (09/01), fez um ano que a família procura por Laura. Mesmo após todo esse tempo, o caso ainda não foi solucionado ou apresentado uma explicação para o ocorrido. Em uma nota pública, o Cedeca também repudiou a "inoperância” do Governo do Tocantins frente ao desaparecimento de Laura Vitória. De acordo com os dados da Secretaria de Segurança Pública nos anos de 2013, 2014 e 2015 desapareceram em média 322 pessoas em cada ano e somente uma média de 56% foram encontradas. Ainda não foram encontradas 423 pessoas. Em específico, nos casos de crianças e adolescentes sumiram 184, sendo uma média de 61 por ano. Conforme o Cedeca, as meninas têm desaparecido com maior frequência do que os meninos. “Diante disso, observa-se a necessidade de atuação firme do Estado para o enfrentamento desta situação, para começar reconhecendo os desaparecimentos e tomando medidas enérgicas”, disse. Veja a nota completa

NOTA PÚBLICA

"O Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente - CEDECA Glória de Ivone é uma Organização da sociedade civil de abrangência estadual, que luta pela defesa intransigente dos direitos humanos de crianças e adolescentes, vem a público repudiar a inoperância do Estado frente ao caso da Laura Vitória. No dia 09 de janeiro de 2016, a criança de 09 anos, Laura Vitória desapareceu no setor Lago Sul, em Palmas, Tocantins. Após um ano, este caso ainda não foi solucionado ou apresentado uma explicação do ocorrido. A história desta criança proporcionou a visibilidade dos diversos casos de pessoas desaparecidas no Estado do Tocantins. De acordo com os dados da Secretaria de Segurança Pública nos anos de 2013, 2014 e 2015 desapareceram em média 322 pessoas por ano e encontradas uma média de 56%. Ainda, não foram encontradas 423 pessoas. Em específico, nos casos de crianças e adolescentes sumiram 184 pessoas, sendo uma média de 61 por ano. Nota-se que as meninas têm desaparecido com maior freqüência do que os meninos. Diante disto, observa-se a necessidade de atuação firme do Estado para o enfrentamento desta situação, para começar reconhecendo os desaparecimentos e tomando medidas enérgicas. O CEDECA vem atuando neste caso no sentido de mobilizar e acionar os  Órgãos estatais responsáveis a nível estadual (Secretaria de Segurança Pública, Conselho Tutelar, Conselho Estadual da Criança e do Adolescente - CEDCA e também o próprio Governador do estado) nível nacional (Conselho Nacional da Criança e do Adolescente- CONANDA e a extinta Secretária Especial da República de Direitos Humanos), da sociedade civil (Centro dos Direitos Humanos de Palmas- CDHP, Ordem dos Advogados do Brasil - OAB/TO e Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente - ANCED) e as mídias sociais. Neste sentido, houve resposta do Governador do Estado que destaca a fragilidade estrutural da Segurança Pública e o direcionamento de profisionais responsáveis para este caso. Apesar disto, não houve respostas concretas sobre a situação da Laura Vitória. Diante disto, a Organização está preparando um dossiê sobre caso para apresentar à Corte Interamericana de Direitos Humanos. O CEDECA Glória de Ivone lamenta a declaração da Delegada de Polícia, responsável pelo caso, sobre o possível arquivamento das investigações, bem como a  incongruência expressa nesta declaração diante dos dados  no Tocantins, demonstrando sobretudo a falta de prioridade absoluta com a infância e adolescência do Estado. Diante deste contexto, instamos o Estado  a apurar os fatos com celeridade com a finalidade também de prevenir o surgimento de novos casos. Vale ressaltar que os familiares não estão tendo acesso aos autos do processo com a justificativa de possível envolvimento da família no desaparecimento da criança. Salienta-se que os familiares estão em sofrimento pela ausência da Laura e de notícias a respeito dos procedimentos realizados. Por fim, a Organização vem clamar ao Estado respostas em relação à vida da criança Laura Vitória, através da continuidade das investigações, criação de  mecanismos para o acompanhamento e monitoramento dos dados sobre esta temática, promoção de políticas públicas intersetoriais, dotação de estrutura das Delegacias de Polícia  do Estado do Tocantins, dar visibilidade aos casos de desaparecimentos, apresentar a sociedade o planejamento dos rumos da investigação, sobretudo compartilhando com a família da Laura Vitória".

Cedeca Glória de Ivone

09 de janeiro de 2017

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.