Lajeado (TO)

Justiça afasta vereadores suspeitos de corrupção e associação criminosa em Lajeado

Além do afastamento dos parlamentares reeleitos, o MPE pediu o bloqueio de bens e dinheiro de outros quatro ex-vereadores

Por Nielcem Fernandes 745
Comentários (0)

10/12/2018 20h39 - Atualizado há 5 meses
Justiça determinou o afastamento de dois vereadores

A Justiça determinou, na noite desta segunda-feira (10), o afastamento dos vereadores Adão Tavares de Macedo (PTN) e Emival Parente (PDT), de Lajeado (TO), por suspeitas de corrupção passiva e associação criminosa.

Eles estariam envolvidos no esquema de venda de votos para aprovação de um projeto de lei que autorizou o município a abrir mão de R$ 100 milhões em um acordo com o Governo do Estado, em 2014, dinheiro decorrente de ICMS das atividades da Usina Hidrelétrica (UHE) Luiz Eduardo Magalhães.

Segundo o acordo, de R$ 200 milhões a que teria direito, Lajeado só receberia R$ 100 milhões. E desses, 20% seria repassado ao escritório Melo & Bezerra Advogados e seus sócios a título de honorários advocatícios.

A denúncia foi feita pelo Ministério Público Estadual (MPE). Além dos dois vereadores, os ex-parlamentares Ananias Pereira (PPS), Luiza Rodrigues (PSB), Nilton Soares (PSD) e José Pinheiro (PRP) também receberam dinheiro do escritório para aprovar a lei.

Conforme a decisão do juiz Alan Ide Ribeiro da Silva, a atuação dos parlamentares  representa "um risco para a população da cidade" e que "certamente não desempenharão a atividade legítima de parlamentar, sendo facilmente sugestionáveis caso interesses particulares estejam em jogo".

Além do afastamento, o juiz determina o bloqueio de valores e bens no valor de R$ 100 milhões. Todos eles foram denunciados pelo MPE por corrupção passiva e associação criminosa.

Entenda

A Justiça condenou o Estado ao pagamento de R$ 200 milhões ao município de Lajeado, mas o recebimento poderia demorar muitos anos devido aos recursos judiciais. Para acelerar a questão, a prefeitura propôs abrir mão de metade do valor para receber os R$ 100 milhões restantes imediatamente.

O MPE acusa os vereadores citados de terem recebido dinheiro do escritório de advocacia para aprovar uma Lei Municipal que permitisse tal acordo. Dos R$ 100 milhões acordados, 20% do valor foi pago ao escritório Melo & Bezerra Advogados.

Na última quarta-feira (05), os advogados Juliana Bezerra de Melo Pereira e Fábio Bezerra de Melo Pereira, filhos do ex-Procurador Geral de Justiça, Clenan Renaut de Melo Pereira, foram alvos de uma operação da Polícia Civil em conjunto com o MPE.

Na sexta-feira (07) a desembargadora do Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO), Célia Regina Regis concedeu liminar em habeas corpus determinando a soltura dos advogados Juliana e Fábio Bezerra de Melo Pereira, presos por suspeita de envolvimento em um esquema milionário.

 

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.