Entrevista

Prefeita admite colapso na saúde de Palmas e alerta para momento ainda 'muito crítico'

"Mais de 87% de ocupação nos leitos é sim considerado um colapso", disse.

Por Redação 1.149
Comentários (0)

17/03/2021 15h52 - Atualizado há 2 meses
Cinthia disse que o decreto estadual vai auxiliar na fiscalização para coibir aglomerações

Após prorrogar a suspensão das atividades não essenciais por mais uma semana, a prefeita de Palmas Cinthia Ribeiro (PSDB) disse que o acompanhamento dos boletins diários demonstrou que houve, nos últimos 10 dias, uma redução significativa nos casos de contaminação pela covid-19. A gestora foi entrevistada na manhã desta quarta-feira (17) no Bom Dia Tocantins.

"Tudo isso é feito com base em dados técnicos. Não é por um achismo. Nem de longe um prefeito de uma cidade quer absorver todo um desgaste [...] ou estabelecer briga com o consumidor e empreendedor. Mas é necessário para esse momento", justificou.

Cinthia admitiu que o avanço da pandemia levou o sistema de saúde do município ao colapso. "Estamos com uma margem [de ocupação de leitos] que não nos permite voltar a um funcionamento próximo do normal em toda cidade. Mais de 87% de ocupação nos leitos é sim considerado um colapso na saúde", afirmou.

SUPERLOTAÇÃO

Questionada a respeito da superlotação nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), a prefeita disse que o serviço ofertado pelo município é de 'porta aberta', e recebe pacientes de várias regiões do Estado.

“É nosso dever receber todos esses pacientes, e para isso temos que estar bem equipados. Mesmo com a abertura de novos leitos a demanda tem crescido bastante. Antes tínhamos em nossas UPAs uma média de 100 a 110 pacientes, agora esse número subiu quatro vezes. Nós estamos realizando obras estruturantes para que tanto a UPA Sul, quanto a UPA Norte, fiquem atendendo exclusivamente a pacientes covid", afirmou a prefeita.  

O PIOR AINDA ESTÁ POR VIR

Segundo Cinthia Ribeiro, mesmo com a situação de colapso, nenhum paciente deixou de ser atendido ou ficou sem o suporte necessário para o tratamento da doença. A gestora avaliou que o pior ainda está por vir e alertou a população.

"Nós temos que nos preparar para um momento de saúde muito crítico. Não há outra forma se não equipando nosso sistema de saúde", afirmou.

PARCERIA

Um ano após o registro do primeiro caso da doença no Tocantins, Estado e Município de Palmas ainda não se entenderam quando às respectivas responsabilidades no enfrentamento à pandemia. A prefeita admitiu a falta que faz um hospital municipal na Capital, mas lembrou que o Estado é responsável pelos procedimentos de média e alta complexidade.

“Quando tivemos o pico da primeira onda da doença, o Governo do Estado se propôs a construir um hospital de campanha e nós nos colocamos a disposição, mas optaram por uma modalidade que não fosse essa e respeitamos a decisão", lembrou a prefeita.

Ela citou que a força-tarefa criada pelo Governo para coibir aglomerações vai auxiliar na fiscalização. 

"Temos uma equipe que está atuando há mais de um ano nesse enfrentamento. O efetivo da Guarda Metropolitana, dos fiscais de postura, da Vigilância Sanitária é específico. Agora, com o movimento de um lockdown parcial, pelo menos com as novas medidas do decreto estadual, nós teremos também as forças de segurança da Polícia Militar e da Secretaria de Segurança Pública somando esforços à essa fiscalização que tende, com certeza, a ser mais efetiva", disse Cinthia.

VACINAS E TESTES

Cinthia Ribeiro também falou sobre a vacinação as pessoas que pertencem a grupos de risco e testes rápidos. Ela explicou porque as ações de testagem em massa só começaram a ser feitas com quase um ano desde o primeiro caso positivo de coronavírus na cidade.

"O fato de lidarmos com algo que é totalmente novo fez com que nós pudéssemos fazer ajustes diários. A própria aquisição desses testes logo no início da pandemia, inclusive os fornecedores o colocavam a um preço muito alto. E a difícil acessibilidade também, porque todos tinham interesse no mesmo produto".

Segundo a prefeita, mais de 76 mil testes foram realizados na Capital. "Continuamos com essa busca ativa".

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.