Na Assembleia

Presidente do TCE prestará informações sobre desvios de dinheiro público em obras de rodovias no Tocantins

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

11/11/2016 08h39 - Atualizado há 1 semana
O presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), conselheiro Manoel Pires dos Santos, vai até a Assembleia Legislativa esclarecer informações a respeito da investigação de obras em rodovias estaduais realizadas no mandato do ex-governador Sandoval Cardoso (sem partido). Os mandados judiciais foram cumpridos no âmbito da Operação Ápia da Polícia Federal. O convite ao presidente foi aprovado na manhã desta quinta-feira (10/11), na Comissão de Administração, Trabalho, Defesa do Consumidor, Transportes, Desenvolvimento Urbano e Serviço Público da AL e foi proposto pelo deputado Zé Roberto (PT). Os parlamentares querem saber também a metodologia adotada pela Corte na fiscalização dos atos da administração pública estadual. “Faz-se necessária a apresentação dessas informações pelo TCE, uma vez que a Operação Ápia da Polícia Federal, a Controladoria Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU) demonstram ter havido desvios de recursos públicos estaduais”, explicou Zé Roberto. A reunião para ouvir Manoel Pires está marcada para o dia 24 de novembro, em horário a ser decidido. O presidente do TCE era esperado na sessão ordinária da Comissão na manhã desta  quinta-feira (10/11), mas Pires encaminhou ofício e explicou sua ausência em razão de compromisso agendado anteriormente no município de Natividade. Segundo a Polícia Federal, com a investigação, foi descoberto um esquema de direcionamento de concorrência que envolveu órgãos e agentes públicos estaduais nos anos de 2013 a 2014. O desvio de recursos foi no valor aproximado de R$ 200 milhões, conforme investigação em andamento. A operação A primeira fase da Operação Ápia da Polícia Federal foi deflagrada no dia 13 de outubro e tinha como alvos principais dois ex-governadores: Siqueira Campos e Sandoval Cardoso. No foco das investigações estava um contrato de financiamento firmado com o Banco do Brasil, objetivando obter recursos do BNDES e captados no exterior no valor de R$ 1,2 bilhão. Conforme a decisão da Justiça Federal, os dois ex-governadores atuaram diretamente nesse contrato. Sandoval chegou a ser preso na Casa de Prisão Provisória de Palmas, mas foi solto depois de 16 dias. Siqueira Campos apenas prestou esclarecimentos para a PF. Segunda fase Na segunda fase da operação, no dia 28 de outubro, quatro pessoas ligadas à Construtora Rio Tocantins (CRT), com sede em Araguaína, tiveram a prisão preventiva decretada. Os presos foram: Janaína Aires Guimarães (filha do sócio majoritário Rossine Aires Guimarães que está em prisão domiciliar); Cid Hoffman (administrador da empresa), Jairo Arantes (sócio minoritário); e Luciene da Silva Oliveira (empregada da CRT). Durante audiência de custódia ainda no mesmo dia, todos os presos foram liberados. (Com informações da AL).

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.