Porto Nacional

Professores rejeitam novas propostas; prefeito diz não ter condições de pagar os 33,2%

Propostas apresentadas preveem a utilização de 100% do Fundeb, diz prefeito.

Por Redação 669
Comentários (0)

11/05/2022 08h29 - Atualizado há 1 mês
Educação rejeita propostas e continua em greve em Porto Nacional

Os professores da rede municipal de Porto Nacional debateram, nessa terça-feira (10), as propostas do prefeito Ronivon Maciel (PSD) visando o encerramento da greve que já dura quase um mês. A categoria realizou uma assembleia geral na Escola Municipal Dr. Euvaldo Thomaz de Souza com a participação dos vereadores Jefferson Lopes, Adael e Soares Filho.

A gestão municipal encaminhou duas propostas para a categoria, sendo a primeira proposta dispõe de um aumento salarial de 18,6% para o nível de graduados e 14% para os demais níveis. A segunda proposta foi um aumento para os técnicos de magistério de 15% e reajuste proporcional na tabela do PCCR, obedecendo os percentuais dos níveis.

Após discussões os profissionais rejeitaram as propostas, por entender que não atendem às expectativas do movimento e ainda ferir o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração do Profissionais de Educação – PCCR.

Durante a assembleia, o vereador Jefferson Lopes fez contato com o prefeito e encaminhou aos professores uma proposta de 18,5% para apreciação. Entretanto, o Sintet aguarda o encaminhamento da proposta mencionada para decisão em assembleia geral.

Diante das propostas encaminhadas a categoria, ficou decidido em assembleia o envio de uma contraproposta de 20%, escalonando os demais percentuais em quatro vezes (junho, julho, agosto e setembro) até chegar aos 33,24%. Ainda, a prefeitura deverá garantir os direitos dos percentuais da tabela.

O Sintet disse que enquanto não obtiver um retorno oficial da contraposta, e que esta seja aprovada em assembleia geral, a categoria continua em greve.

DETALHES DA PROPOSTA

Em uma das propostas, a Prefeitura mantém o reajuste de 33,24% aos professores com menores salários, 18,6% aos graduados e 14% para Especialistas, Mestres e Doutorados.

Conforme a gestão, essa propositura gera um déficit de mais de R$ 6 milhões nas contas do município, mesmo com o complemento do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB). A segunda proposta feita aos representantes da categoria em greve, a prefeitura apresentou um percentual de 15%, com base na tabela de carreira de cada profissional. Essa sugestão cria um déficit de R$ 4,3 milhões.

Ambas as propostas apresentadas preveem a utilização de 100% do recurso do Fundeb que atualmente é de R$ 4.083.000,00 (quatro milhões e oitenta e três mil reais) e mais a complementação do recurso de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE), destinado ao município para o transporte escolar, manutenção de escolas, compra de equipamentos, desenvolvimento escolar, dentre outros.

Conforme ressaltou o prefeito Ronivon Maciel, o município vem sempre buscando as melhores alternativas para a garantia do novo reajuste salarial. "A nossa visão é sempre de buscar uma solução que seja viável para todos. Infelizmente o município não dispõe de recursos para cumprir com os percentuais propostos pelo Governo Federal. Já foram realizados vários encontros e muitas tratativas para chegarmos a um denominador comum, e essa rodada veio em um cenário onde tivemos condições de fazer mais uma proposta, mantendo a anterior para que a categoria aprecie as duas e decida pela que melhor atender suas expectativas”, esclareceu.

Três vereadores participaram da assembleia da categoria

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.