Após negociação fracassada, Governo diz que "só retomará conversação após encerramento da greve"

Por Redação AF
Comentários (0)

21/03/2015 10h43 - Atualizado há 3 semanas
<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br /> <br /> Os policiais civis do Tocantins decidiram rejeitar a proposta do governo e manter a greve iniciada no dia 25 de fevereiro. Uma reuni&atilde;o entre o comando de greve e o governo do Estado foi realizada nesta sexta-feira (20), mas fracassou. J&aacute; a Comiss&atilde;o de An&aacute;lise de Impactos de Pessoal sobre os Recursos Financeiros do Estado disse &ldquo;s&oacute; retomar&aacute; qualquer conversa&ccedil;&atilde;o ap&oacute;s o encerramento da greve&rdquo;.<br /> <br /> A Comiss&atilde;o ressaltou, em nota, que a contraproposta apresentada pelo comando de greve &eacute; diferente do que est&aacute; firmado no Protocolo de Inten&ccedil;&otilde;es, subscrito pelo Sinpol na &uacute;ltima quarta-feira (18).<br /> <br /> Ainda conforme o Governo do Estado, representado pela Comiss&atilde;o, qualquer negocia&ccedil;&atilde;o com os grevistas a partir de agora &ldquo;fica condicionada aos limites do mencionado Protocolo&rdquo;.<br /> <br /> <strong><u>Cl&aacute;usulas do Protocolo de Inten&ccedil;&otilde;es (Proposta do Governo)</u></strong><br /> <br /> O protocolo de inten&ccedil;&otilde;es assinado por membros do Minist&eacute;rio P&uacute;blico Estadual, Defensoria P&uacute;blica, Sinpol, Secretaria de Seguran&ccedil;a P&uacute;blica, Minist&eacute;rio P&uacute;blico Federal e Governo do Estado, estabelece:<br /> <br /> - prioridade na valoriza&ccedil;&atilde;o remunerat&oacute;ria dos servidores da Seguran&ccedil;a P&uacute;blica;<br /> <br /> - O Governo se compromete a encaminhar projeto de lei, no prazo m&aacute;ximo de 10 dias, com os mesmos valores constantes na lei 2.851/14 (cujos efeitos financeiros est&atilde;o suspensos), mantendo-se o prazo de 1 ano para implementa&ccedil;&atilde;o da primeira parcela para a segunda parcela, unificando a terceira e quarta parcelas, decorrido um ano da implanta&ccedil;&atilde;o da segunda parcela, com expressa condicionante dos seus efeitos financeiros a quando o Estado encontra-se dentro do limite prudencial da LRF relativamente aos gastos com pessoal;<br /> <br /> - o encaminhamento do projeto de lei ficar&aacute; condicionado ao imediato retorno de todos os servidores as suas regulares atividades;<br /> <br /> - O governo se compromete a adotar medidas legais para buscar a redu&ccedil;&atilde;o dos gastos com pessoal, o que deve ocorrer at&eacute; o final do terceiro quadrimestre do ano de 2015, sendo implementada de imediato a primeira parcela do alinhamento salarial da Pol&iacute;cia Civil.<br /> <br /> - o Governo se compromete a n&atilde;o descontar os dias parados durante a greve, n&atilde;o havendo imputa&ccedil;&atilde;o de qualquer responsabilidade;<br /> <br /> - o governo e o Sinpol se comprometem a pedir a extin&ccedil;&atilde;o do processo judicial questionando o movimento paredista;<br /> <br /> - Com o retorno dos servidores as atividades, as armas e equipamentos que foram entregues ficam disponibilizadas para novo acautelamento de imediato;<br /> <br /> - O acompanhamento do cumprimento das clausulas do protocolo de inten&ccedil;&otilde;es ser&aacute; levado a efeito por meio do Sinpol, Procuradoria Geral do Estado, MPE, MPF e Defensoria P&uacute;blica.<br /> <br /> <u><strong>Contraproposta (Sinpol-TO)</strong></u><br /> <br /> Na contraproposta do comando de greve, o governo do Estado s&oacute; precisar&aacute; incorporar o alinhamento da carreira dos policiais civis em janeiro de 2016, j&aacute; com a tabela prevista para o ano que vem. Em contrapartida, o governo estadual emitiria t&iacute;tulos p&uacute;blicos que pudessem ser descontados pelos policiais em um banco conveniado com o Estado. Esses t&iacute;tulos teriam o valor total do alinhamento de 2015 e ficaria a cargo do Estado fazer esse conv&ecirc;nio com o banco.<br /> <br /> O policial que n&atilde;o quisesse pagar as taxas ao banco para receber o montante do alinhamento de 2015 de uma s&oacute; vez neste ano ter&aacute; a op&ccedil;&atilde;o de receber retroativamente o dinheiro do pr&oacute;prio governo, em 36 parcelas, com a primeira sendo paga em janeiro de 2016.<br /> <br /> Al&eacute;m disso, o governo se comprometeria a retirar a a&ccedil;&atilde;o na Justi&ccedil;a que contesta a greve e se comprometendo tamb&eacute;m a n&atilde;o descontar o ponto dos policiais grevistas.<br /> <br /> &ldquo;Levamos em conta as dificuldades do governo nessa nossa contraproposta. Ela &eacute; respaldada por toda a nossa categoria. Se o governo quiser mesmo encerrar a greve, basta aceit&aacute;-la&rdquo;, destacou o presidente do Sinpol-TO, Moisemar Marinho.</span>
ASSUNTOS

Comentários (0)

Mais Notícias

De Figueirópolis

Professor do Tocantins vence prêmio nacional com projeto sobre esportes

O objetivo do prêmio é reconhecer o trabalho dos professores que contribuem para a qualidade da educação básica.

Investigação

PF prende médico no Tocantins em operação que investiga corrupção na Saúde

Mandados também estão sendo cumpridos em São Luís (MA), Imperatriz (MA), Parauapebas (PA), Brasília (DF) e Goiânia (GO).

Estado

Bunge Açúcar e Bioenergia abre vagas para jovens engenheiros no Tocantins

As inscrições vão até o dia 9 de novembro.

Nesta quinta, 18

Vagas de emprego para manicure, mecânico, porteiro, zelador e vendedor

As vagas são para todos os níveis de escolaridade e estão distribuídas em nove cidades do Estado.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.