Com agravamento dos problemas no sistema prisional, Governo decide devolver armamento aos policiais grevistas

Por Redação AF
Comentários (0)

25/03/2015 09h03 - Atualizado há 3 semanas
<span style="font-size:14px;"><u>Da Reda&ccedil;&atilde;o</u><br /> <br /> O&nbsp; secret&aacute;rio da Seguran&ccedil;a P&uacute;blica, Cesar Roberto Simoni, e a secret&aacute;ria de da Defesa e Prote&ccedil;&atilde;o Social, Gleidy Braga, assinaram a portaria conjunta n&ordm; 002 nesta ter&ccedil;a-feira, 24, que&nbsp; determina ao delegado-geral da Pol&iacute;cia Civil, Roger Knewitz, que promova estudo para realoca&ccedil;&atilde;o das armas, muni&ccedil;&otilde;es e acess&oacute;rios &agrave;s unidades prisionais.<br /> <br /> O recolhimento do armamento de todos os policiais civis que est&atilde;o em greve desde o dia 25 de fevereiro foi determinado atrav&eacute;s da portaria conjunta n&deg; 001, de 13 de mar&ccedil;o. Naquela ocasi&atilde;o, o Governo justificou que os grevistas estavam &quot;debelados&quot;, incitando resist&ecirc;ncia &agrave; a&ccedil;&atilde;o da Pol&iacute;cia Militar nas unidades prisionais e em &quot;estado de insurg&ecirc;ncia&quot;.<br /> <br /> <em>&ldquo;A arma &eacute; acautelada ao policial civil e ao agente penitenci&aacute;rio no exerc&iacute;cio de suas fun&ccedil;&otilde;es. Se esta fun&ccedil;&atilde;o n&atilde;o est&aacute; sendo exercida, por conta de um movimento de insurg&ecirc;ncia em flagrante desobedi&ecirc;ncia &agrave; decis&atilde;o judicial, n&atilde;o h&aacute; motivo para o uso de arma, at&eacute; porque n&atilde;o se tem not&iacute;cia da exist&ecirc;ncia de algum outro movimento grevista armado, em qualquer unidade da Federa&ccedil;&atilde;o&rdquo;</em>, disse o secret&aacute;rio de Seguran&ccedil;a P&uacute;blica, C&eacute;sar Roberto Simoni de Freitas, quando determinou o recolhimento da nova portaria.<br /> <br /> Na nova portaria, o Governo diz que n&atilde;o persiste mais a &ldquo;excepcionalidade&rdquo; que motivou a expedi&ccedil;&atilde;o da primeira determina&ccedil;&atilde;o para entrega do armamento.<br /> <br /> <u><strong>Problemas causados</strong></u><br /> <br /> O recolhimento das armas, muni&ccedil;&otilde;es e acess&oacute;rios desencadeou uma s&eacute;rie de problemas, ainda maiores, no sistema prisional do Estado. Mesmo desarmados e em greve, os policiais civis continuaram atuando nas delegacias e demais unidades prisionais, principalmente nas pequenas cidades do Estado onde a Pol&iacute;cia Militar n&atilde;o possui efetivo para atender a demanda.<br /> <br /> Sem condi&ccedil;&otilde;es de garantir a seguran&ccedil;a, fugas de presos foram registradas logo ap&oacute;s o recolhimento das armas. Somente em Guara&iacute; (TO), dez presos conseguiram escapar.<br /> <br /> <u><strong>&quot;Restabelecer os servi&ccedil;os&quot;</strong></u><br /> <br /> Segundo o Governo, a medida [devolver as armas] visa garantir a manuten&ccedil;&atilde;o e o restabelecimento dos servi&ccedil;os em todas as unidades, principalmente naquelas que funcionam com escala de plant&atilde;o fixo.<br /> <br /> A portaria, que ser&aacute; publicada no Di&aacute;rio Oficial do Estado na edi&ccedil;&atilde;o desta ter&ccedil;a-feira, 24, estabelece ainda que os delegados titulares e chefes das unidades prisionais ser&atilde;o os respons&aacute;veis pela guarda, conserva&ccedil;&atilde;o e utiliza&ccedil;&atilde;o do armamento. Caso haja necessidade, os respons&aacute;veis poder&atilde;o ainda fazer a concess&atilde;o de subloca&ccedil;&atilde;o dos equipamentos aos policiais civis lotados nas respectivas unidades.<br /> <br /> <em>&ldquo;Com essa provid&ecirc;ncia, espera-se suprir as necessidades, tanto da Pol&iacute;cia Civil, quanto do sistema prisional, e regular o exerc&iacute;cio das suas fun&ccedil;&otilde;es institucionais e constitucionais&rdquo;</em>, explicou o subsecret&aacute;rio da Seguran&ccedil;a P&uacute;blica, Abizair Ant&ocirc;nio Paniago.</span>
ASSUNTOS

Comentários (0)

Mais Notícias

De Figueirópolis

Professor do Tocantins vence prêmio nacional com projeto sobre esportes

O objetivo do prêmio é reconhecer o trabalho dos professores que contribuem para a qualidade da educação básica.

Investigação

PF prende médico no Tocantins em operação que investiga corrupção na Saúde

Mandados também estão sendo cumpridos em São Luís (MA), Imperatriz (MA), Parauapebas (PA), Brasília (DF) e Goiânia (GO).

Estado

Bunge Açúcar e Bioenergia abre vagas para jovens engenheiros no Tocantins

As inscrições vão até o dia 9 de novembro.

Nesta quinta, 18

Vagas de emprego para manicure, mecânico, porteiro, zelador e vendedor

As vagas são para todos os níveis de escolaridade e estão distribuídas em nove cidades do Estado.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.