Foro privilegiado

Constituição do Tocantins garante foro privilegiado até ao Comandante Geral da Polícia Militar

Por Redação AF
Comentários (0)

07/05/2017 11h48 - Atualizado há 1 semana
Quase 40 mil autoridades têm direito a foro privilegiado no Brasil garantido pela Constituição Federal. Mais exatamente 38.431. O número é parte de levantamento feito pelos consultores legislativos do Senado João Trindade Cavalcante Filho e Frederico Retes Lima. O número sobe para 54.990 quando se consideram também as constituições estaduais. No Tocantins, por exemplo, a Constituição garante foro privilegiado até ao Comandante Geral da Polícia Militar. Ainda no Tocantins, possuem também o privilégio o vice-governador, os deputados estaduais, os secretários de Estado, o Procurador-Geral do Estado, os juízes do primeiro grau e os membros do Ministério Público e os prefeitos municipais. Todos são julgados perante o Tribunal de Justiça do Estado (TJ). Esse tipo de prerrogativa não é novidade no mundo nem no Brasil. A Constituição Imperial de 1824 garantia não só a irresponsabilidade absoluta do imperador, mas também o julgamento pela corte suprema da época de ministros, presidentes de províncias e corpo diplomático. O foro para parlamentares surgiu em 1969, por iniciativa das Forças Armadas e com o Congresso fechado. Foi a Constituição de 1988, no entanto, que promoveu o "trem da alegria", ao estender o benefício a Ministério Público, tribunais de conta, deputados estaduais e prefeitos. Proposta no Senado A proposta aprovada no Senado Federal ainda mantém o foro privilegiado a 16.559 autoridades. O projeto aprovado no plenário do Senado extingue o foro especial para todas as autoridades em crimes comuns, com exceção dos presidentes da República, da Câmara, do Senado e do STF. Estes continuariam a ser julgados pelo Supremo. Todos os demais –incluindo ministros, parlamentares, governadores e prefeitos– poderiam ser processados na Justiça de primeira instância. Pela legislação atual, ministros, senadores e deputados federais só podem ser julgados pelo STF. Já governadores e deputados estaduais só podem ser processados pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Veja o que muda segundo a proposta que avançou no Senado 1) CRIMES COMUNS COMO É HOJE Pela legislação atual, 33 mil autoridades têm direito a foro em instâncias como STF, STJ, Tribunais Regionais Federais, Tribunais de Justiça estaduais e Superior Tribunal Militar, e não são julgadas na Justiça de primeira instância. Deputados, senadores e ministros, por exemplo, só podem ser processados no STF. Governadores são julgados no STJ. Prefeitos, no Tribunal de Justiça de seu Estado. PROPOSTA DE MUDANÇA O projeto determina que qualquer autoridade seja julgada por crimes comuns como qualquer cidadão, de acordo com o Código de Processo Penal, que prevê que o processo terá início na primeira instância, em geral no local da infração. EXCEÇÕES Presidente da República, presidente da Câmara, presidente do Senado e presidente do STF continuariam sendo processados e julgados no Supremo Tribunal Federal 2) CRIMES DE RESPONSABILIDADE Os crimes de responsabilidade, como o que levou ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, continuarão sendo julgados em seus atuais foros

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.